Post-frontera. Transizione: l’inglese

Ilka Oliva Corado, trad. di Maria Rossi. La macchina sognante Post-Frontera XXXV. Transizione: l’inglese (IV) Passarono cinque anni dal mio arrivo negli Stati Uniti prima che mi decidessi a imparare l’inglese, ricordo perfettamente la sera in cui, uscendo dal lavoro, presi il cellulare e cancellai il mio messaggio in segreteria in spagnolo registrandolo nuovamente in inglese. Quello fu il primo passo.…

Continuar leyendo…

I twits di Evo

Tradotto do Alessandra Riccio, Nostramerica  Evo Morales ha creato il suo twit solamente nell’ aprile del 2016, ultimo fra i presidenti del progressismo latinoamericano ad aprire un conto su quella rete sociale. Il fatto che Evo sia Presidente della Bolivia non è solo un fatto straordinario per il suo popolo ma per tutti i popoli originari del continente e del…

Continuar leyendo…

L'inverno come tranquillità e rafforzamento

Tradotto da Monica Manicardi In inverno, il cielo si copre del suo coloro grigiastro e scendono le nubi dense a girovagare per le strade della grande città; una nebbia gelida che permette ai passanti dannati di lamentarsi di questo periodo che la chiamano brutto tempo. Diminuisce il morale, aumentano i raffreddori e la depressione si trasforma come sofferenza della stagione.…

Continuar leyendo…

La lotería como enajenación de las masas indocumentadas

No existe en Estados Unidos el sueño americano ni el sueño dorado, ni ningún otro tipo de sueño que no sea el del cansancio físico y emocional antes, durante y después de las extenuantes jornadas laborales que vive el indocumentado. Partiendo de ahí, de una mentira, de la decepción que queda al descubrir el montaje mediático y estructural que nos…

Continuar leyendo…

Los tuits de Evo

Apenas en abril de 2016, Juan Evo Morales Ayma creó su cuenta de tuiter siendo, digamos, el último de los presidentes del progresismo latinoamericano en abrir una cuenta en esa red social. Que Evo sea presidente de Bolivia no solo es un logro monumental para su pueblo, sino para los Pueblos Originarios del continente y del mundo. En su juventud, como…

Continuar leyendo…

Quando é que a esquerda latino-americana vai se unir?

Tradução do Revista Diálogos do Sul  Este momento, este preciso momento que vive América Latina, é a cúspide do neoliberalismo que triunfa sobre a Memória Histórica. Vê-se desde longe que é apoteótico. Era previsível, era só uma questão de tempo chegarmos a este ponto de incoerência porque estamos cheios de gerações sem memória e sem identidade. E sem o desejo de…

Continuar leyendo…

El ocio como amor propio y resistencia política

Vivimos diariamente en el trajín de un sistema que nos exprime cada vez más, que nos roba el oxigeno, extorsiona, manipula, violenta y nos controla; es el sistema del capital que tiene como objetivo hacer del ser humano un objeto incapaz de crear, pensar y sentir. Porque quien siente, ama; quien crea, florece; quien ama tiene esperanza, y una humanidad…

Continuar leyendo…

Generazioni senza memoria

Tradotto da Monica Manicardi Quello che sta succedendo in America Latina in questo momento, dovrebbe essere di vitale importanza per le generazioni di chi non ha memoria. Tutti quelli che hanno meno di quarant’anni, si devono considerare parte della generazione senza memoria. Tutto quello che è nato nell’epoca delle dittature o post dittature è stato iniettato con il gene dell’ignoranza…

Continuar leyendo…

Gerações sem memoria

Tradução do Eduardo Vasco, Diário Liberdade  O que está acontecendo na América Latina agora, deve ser de vital importância para gerações de esquecimento. Todo mundo com 40 anos e menos é considerado parte da geração do esquecimento. Todo mundo que nasceu durante as ditaduras ou pós-ditaduras foi injetado com o gene da ignorância e do esquecimento coletivo. Nós pertencemos à…

Continuar leyendo…

El joven hindú

A este muchacho lindo, lo conocí en el 2012, para finales. Fui a comprar una ensalada a un restaurante de comida rápida y él atendía, estaba hablando por teléfono con su familia en India, allá era una celebración parecida a Navidad. Entonces estaba toda la familia reunida y le contaban de la celebración y se escuchaba el bullicio de la…

Continuar leyendo…

¿Cuándo se unirá la izquierda latinoamericana?

Este momento, este preciso momento que vive Latinoamérica, es la cúspide del neoliberalismo que triunfa sobre la Memoria Histórica. Se ve desde leguas de distancia, es apoteósico. Era previsible, solo era cuestión de tiempo llegar a este punto de incoherencia, porque estamos plagados de generaciones sin memoria y sin identidad. Y sin afán de acusar o de buscar un culpable…

Continuar leyendo…

A doméstica como escrava

Tradução do Revista Diálogos do Sul  Serviçal, empregada, criada, doméstica, babá, diarista; a empregada doméstica é conhecida por uma infinidade de nomes. No entanto é a empregada mais importante e paradoxalmente a mais mal paga, a explorada e a escravizada em um modelo de sociedade que utiliza parias como trampolim; como escada, como o suporte mais importante para sustentar a exploração…

Continuar leyendo…

América Latina, rebelde e resistente

Tradução do Revista Diálogos do Sul  A América Latina, mesmo que os ingratos afirmem o contrário, é rebelde e resiste. Como resistem as pétalas das flores das 10 ao sol do meio dia. América Latina ainda não se rende, 500 anos de saques, genocídios, ecocídios e devastação e continua resistindo. Não será agora que vão nos vencer, Memorizem isso: não nos…

Continuar leyendo…

The maidservant as a slave

Translated  by Marvin Najarro  The maidservant, the maid, the domestic help, the nannie, the cholera (Guat.), the handmaid, the chacha, and the gata (Mex.) are some of the countless names the domestic worker is known, disparagingly. However, she is the most important employee, but she is also, paradoxically, the most poorly paid, exploited and enslaved in a model of society…

Continuar leyendo…

Honduras sacrificada pelo Triângulo Norte

Tradução do Revista Diálogos do Sul    Honduras põe o sangue pelo Triângulo Norte da América Central. Em Honduras se tornou piada: em 2015, pegaram os sábados para bronzear-se nas praias do país e fazer a fotografia de lembrança, enquanto se agitavam cartazes com os nomes dos mártires da ditadura. Com cartazes, barricadas nas ruas, tudo para sair na televisão e…

Continuar leyendo…

Latinoamérica, rebelde y en resistencia

Latinoamérica aún no se rinde, 500 años de saqueos, genocidios, ecocidios, de devastación y sigue resistiendo. No será ahora que nos van a vencer. Memorícenlo: ¡no nos han vencido!, ¡no nos van a vencer! Que lo sepan los cobardes, genocidas, saqueadores, los vende patrias, los arrastrados y los traidores: no nos van a vencer. Que lo tengan claro los corruptos,…

Continuar leyendo…