Núcleo patriarcal

Vivimos en sociedades patriarcales, misóginas y machistas; como resultado de este patrón, la violencia contra las mujeres es sistemática y estructural. Y también, por más indigno que sea es una violencia normalizada porque la mujer sigue siendo vista como un objeto que le pertenece a quien lo compra.

Por esa razón vemos a padres, hermanos, abuelos, amigos, amantes, compañeros, creyéndose dueños de sus hijas, hermanas, nietas, amigas, amantes, compañeras. Y lo mismo con los desconocidos, se creen tan dueños de cualquier mujer que se sienten con la libertad de poder excluirlas, insultarlas, golpearlas, violarlas, asesinarlas y desaparecerlas.

Sigue leyendo

Lenín Moreno, o grande traidor do progressismo latino-americano

Tradução do Eduardo Vasco, Diário Liberdade 

Apenas alguns meses atrás celebrávamos a vitória de Lenin Moreno, que prometeu dar continuidade à Revolução Cidadã que Rafael Correa iniciou; ele resultou ser uma fraude, dando o pior golpe ao progressismo latino-americano na última década: Lenin Moreno mordeu a mão daquele que o alimentava.

Moreno superou Temer, seu ódio por seu país foi mais longe, assim como Temer não suportou a luz de seus presidentes, Temer não poderia com Dilma e Moreno nunca poderá com Rafael Correa, porque Correa, como Dilma, é simplesmente imortal na memória dos povos.

Sigue leyendo

No es Venezuela, es el resto de Latinoamérica

Mientras a nosotros, los informativos corporativos nos bombardean con noticias sobre Venezuela: que la hambruna, que la dictadura de Maduro…, en el resto del continente se vive la embestida del neoliberalismo.

Mientras nosotros, “no queremos ser como Venezuela” en nuestros países se llevan a cabo desfalcos millonarios, mueren cientos de niños por desnutrición, se llevan a cabo limpiezas sociales, nos mantienen atemorizados con la violencia común que en realidad es violencia institucionaliza, se realizan robos de tierras por parte de los gobiernos y las oligarquías; con esto oprimiendo a las comunidades que las habitan y si es necesario haciéndolas desaparecer.

Sigue leyendo

La diferencia entre un abrigo y un inodoro

“Como te ven te tratan” frase que he escuchado desde mi infancia, y eso ha sido cuña en la sociedad para vivir de apariencias y que la gente pretenda en lugar de ser.

Hoy quiero compartirles una fotografía, bueno, dos. Dos fotografías que publiqué en mis redes sociales el mismo año en distinta fecha. En la primera, estoy limpiando un baño en mi trabajo y en la segunda estoy con un abrigo en la reserva forestal a donde suelo ir a caminar y a hacer bicicleta.

Sigue leyendo

Lenin Moreno, the Archtraitor of Latin American Progressivism

Translated  by Marvin Najarro 

Just a few months ago we celebrated the victory of Lenin Moreno who promised to continue with the Citizen Revolution initiated by Rafael Correa, he turned out to be a fraud, inflicting the worst blow to Latin American progressivism in the last decade; Lenin Moreno bit the hand of the one who fed him.

In his hatred for his own country Moreno surpassed Temer, both of them could not stand the light of his presidents: Temer unable to reach Dilma’s stature, and Moreno who will never outdo Rafael Correa’s, because both Correa and Dilma are already immortal in their peoples memory.

Sigue leyendo

Lenín Moreno, il grande traditore del progressismo latinoamericano

Tradotto da Monica Manicardi

Appena qualche mese fa abbiamo celebrato la vittoria di Lenìn Moreno, il quale aveva promesso di dare continuità alla Rivoluzione Cittadina che iniziò con Rafael Correa; è risultato essere un impostore, procurando il peggior colpo al progressismo latinoamericano nell’ultimo decennio: Lenìn Moreno ha sputato nel piatto in cui ha mangiato.

Moreno ha superato Temer, il suo odio per il suo paese è andato oltre, così come Temer non può sostenere la luminosità dei suoi presidenti, Temer non è riuscito ad essere come Dilma e Moreno non potrà mai essere come Rafael Correa, perché Correa come Dilma semplicemente sono già immortali nella memoria dei popoli.

Sigue leyendo

The Charm of Che

Translated  by Marvin Najarro 

The United States is a country with an impressive diversity of cultures. At a traffic light stop, waiting to cross the avenue, there may be fifty people from different countries, and they all have a history, a past, a root. The number of religions and of political thinking is also that diverse. In a social gathering, in a restaurant, in a simple supermarket or in the park you can find a variety of cultures and languages that are impossible to identify.

And I have met people from countries that I did not know they existed and which they have had to show me on a map, and that when starting a conversation with me they ask me about Che, Allende, Chavez and Fidel, as if waiting for me to tell the stories of those myths which they take for granted that I know by heart. And there they are like children waiting to be told a story.

Sigue leyendo

Il fascino del Che

Tradotto da Monica Manicardi

Gli Stati Uniti sono un paese con una diversità di culture impressionante. Alla fermata di un semaforo, aspettando di attraversare la strada, ci possono essere cinquanta persone e tutte sono di un paese differente e tutte hanno la loro storia, un passato, le loro radici. Anche le numerose religioni e il pensiero politico sono varie. In un incontro mondano, in un ristorante, in un semplice supermercato o in un parco si può incontrare una varietà di culture e idiomi che è impossibile identificare.

E mi sono incontrata con persone che non sapevo della loro esistenza e che mi hanno dovuto indicare nella mappa, e che instaurando una conversazione con me mi domandano del Che, di Allende, di Chàvez e di Fidel. Come se aspettassero che io racconti le storie di questi miti, dando per scontato che li conosca a memoria. E stanno li aspettando come dei bambini che gli racconti la storia.

Sigue leyendo

O encanto do Che

Tradução do Eduardo Vasco, Diário Liberdade 

Os Estados Unidos são um país com uma diversidade de culturas, impressionante. À beira de um semáforo, à espera de atravessar a avenida, pode haver cinquenta pessoas e todos são de países diferentes e todos têm uma história, um passado, uma raiz. A quantidade de religiões e o pensamento político também são variados. Em uma reunião social, em um restaurante, em um supermercado simples ou no parque você pode encontrar uma variedade de culturas e línguas que são impossíveis de identificar.

E conheci pessoas de países que não sabia que existiam e que tiveram que me mostrar no mapa, que quando começaram uma conversa comigo, me perguntam sobre Che, Allende, Chavez e Fidel. Gostaria de me esperar para contar histórias desses mitos, que dão por certo que eu sei de cor. E aí estão como crianças esperando por contar uma história.

Sigue leyendo

Lenín Moreno, el gran traidor del progresismo latinoamericano

Apenas hace unos meses celebrábamos la victoria de Lenín Moreno, quien prometía dar continuidad a la Revolución Ciudadana que inició Rafael Correa; resultó ser un farsante, dando con esto el peor golpe al progresismo latinoamericano en la última década: Lenín Moreno mordió la mano de quien le daba de comer.

Moreno sobrepasó a Temer, su odio a su país fue más allá, tal como Temer no soportaron la luz de sus presidentes, Temer no pudo con Dilma y Moreno no podrá jamás con Rafael Correa, porque Correa como Dilma simplemente ya son inmortales en la memoria de los pueblos.

Sigue leyendo

O encantamento do Che

Tradução do Revista Diálogos do Sul 

Os Estados Unidos é um país com uma diversidade de culturas impressionante. Parados num semáforo, esperando cruzar uma avenida, podem passar cinquenta pessoas e todas são de diferentes países e todas têm uma história, um passado, uma raiz. A quantidade de religiões e pensamento político é também assim de variada. Em uma reunião social, num restaurante, num simples supermercado ou no parque pode-se encontrar uma variedade de culturas e idiomas que é impossível identificar.

Já me encontrei com pessoas de países que eu nem sabia que existiam e que tiveram que me mostrar no mapa, e que ao conversar comigo me perguntam pelo Che, Allende, Chávez e Fidel. Como esperando que eu lhes conte histórias desses mitos, que dão por sentado que sei de memória. E aí ficam esperando como crianças que eu lhes conte um conto.

Sigue leyendo

Ilka Oliva Corado – Il fascino del Che

Per chiudere questo Ottobre del cinquantesimo anniversario dell’assassinio del Che, mi sembra davvero adatto questo commento di Ilka Oliva Corado, guatemalteca, indocumentata, sopravvissuta alla traversata del deserto di Sonora, baby e dog sitter, donna delle pulizie ma anche pittrice, poetessa e blogger ormai nota non solo a Chicago dove vive clandestina, ma anche in molti altri paesi del mondo. Adattissimo perché per gli amici della Nostra America offre uno spaccato dal basso dell’ importanza della memoria dei miti e degli eroi e rafforza, sempre dal basso, l’aspirazione a quella Nuestra America sognata da José Martí e osteggiata dal potente vicino del Nord.

Alessandra Riccio


Il fascino del Che

Tradotto da Alessandra Riccio, Nostramerica

Gli Stati Uniti sono un paese con una diversità di culture impressionante. Alla fermata di un semaforo, in attesa di attraversare la strada, ci possono stare cinquanta persone, tutte di un paese diverso e tutte con la loro storia, il loro passato, le loro radici. Altrettanto varia la quantità di religioni e di pensieri politici. In un salotto, in un ristorante, in un semplice supermercato o in un parco si possono trovare una quantità di culture e di idiomi impossibili da identificare.

Sigue leyendo

Por que o neoliberalismo avança pela América Latina?

Tradução do Eduardo Vasco,  Diário Liberdade  

Pelo gene natural de autodestruição que temos como humanidade. Esse ego próprio, o egoísmo, ou seja, ganhar todo o possível sem se importar que o outro fique sem nada.

 A partir desse gene, podemos dividir os diferentes aspectos que nos levam a tentar analisar o comportamento coletivo de nossas sociedades antes da política neoliberal que nos arrasa.

Neoliberalismo que sempre esteve presente porque é patriarcal e somos sociedades patriarcais, portanto, os resultados são de domínio, ódio, roubo e manipulação. O patriarcado não é apenas misógino, também é racista e elegante, terrivelmente homofóbico. O patriarcado foi a imposição da mente colonizada generacionalmente; por mais de 500 anos, um mal que se tornou genética de nossa América manchada e graças a essa idiotização em massa, os resultados são angustiantes para as pessoas e miseráveis para os bandidos.

Um neoliberalismo que, em nome da fé e das religiões, nos divide entre santos e demônios. Todo mundo que é diferente e se atreve a pensar por si mesmo é malicioso e deve ser punido por sua insolência; o castigo é tirar os direitos, excluí-lo e desaparecer se a sua existência venha a provocar piores nos planos de saque que as mafiosas oligárquicas tenham. Como resultado, as ditaduras no continente e milhares de mortos e desaparecidos.

Os santos são aqueles que acompanham a corrente, que, por causa da preguiça ou do conforto, não se atrevem a pensar ou a questionar em voz alta um sistema que os foda também, porque os robotiza, os cobra de mil maneiras, em uma espécie de violência naturalizada porque é sistemática. Um tipo de violência que é constantemente renovada porque é estratégica e busca manter as massas adormecidas, é por isso que a existência do consumismo, das religiões, da poralização dos meios corporativos, do sistema educacional.

O neoliberalismo avança no continente porque somos sociedades insensíveis, desumanizadas, hipócritas, desleais. Sociedades que preferem dormir o sonho eterno de viver de aparências em vez de despertar e ser forçado a agir; porque a atuação exige responsabilidade e quem quer ser responsável em uma era de exploração coletiva?

A responsabilidade disso é daqueles que sabem, que com a capacidade de analisar, questionar, organizar, preferem dormir a mona, porque beneficia que o sistema exclua alguns e recompensa outros por sobreposição. Você não pode se esconder na ignorância quando se beneficia com o silêncio. Aumentar a voz é uma responsabilidade humana, individual e coletiva.

Devemos estar despertando rios, fogueiras, mares em tempestade. Devemos ser semente, eco de montanhas, aldeias de pessoas honradas, devemos ser a chuva que cresce a milpa, o fertilizante. O peal constante da Memória Histórica, deixa de ser repelido como base e adobe. Devemos ser a lava do vulcão quando o inimigo ataca e tem o frescor da flor selvagem quando se tenta abraçar a causa da restauração da América Latina original.

Quem está disposto a viver essa metamorfose?

Se você pretende compartilhar esse texto em outro portal ou rede social, por favor mantenha a fonte de informação URL:  https://cronicasdeunainquilina.com/2017/10/29/por-que-o-neoliberalismo-avanca-pela-america-latina/

Ilka Oliva Corado @ilkaolivacorado contacto@cronicasdeunainquilina.com

Why is Neoliberalism Advancing in Latin America?

Translated  by Marvin Najarro 

By the natural self-destruction gene that we as humanity have. Our own ego, the “yoismo,” (egoism) as they call it in psychology; grab as much as possible regardless of the other being left with nothing.

Starting from this gene we can break down the different aspects that lead us to try to analyze the collective behavior of our societies in the face of neoliberal policy that drags us.

Sigue leyendo

Nel calcio, come nella vita

Tradotto da Monica Manicardi

Il calcio è la passione delle passioni, ed è qualcosa che non consente una discussione. Lo sappiamo tutti. Come passione ha la irriverenza di farci vibrare all’unisono, non importa dove siamo e che lingua parliamo; per la sua caratteristica universale. Il goal è il più vicino a toccare il firmamento con i polpastrelli delle dita; chi segna un goal ha ottenuto l’immortalità, uguale giocando in una strada di periferia e con un pallone di stoffa.

La passione (come io chiamo il calcio) è la cosa più bella che abbiamo sulla terra, e per la felicità che ci dà, dovremmo rispettarla. Rispettarla sempre. Ma facciamo tutto il contrario. Noi umani distruggiamo tutto con il nostro egocentrismo e la nostra irriverenza. Con la nostra abitudine di voler accaparrare tutto e fare lo sgambetto a chi si mette nel nostro cammino: letteralmente.

Sigue leyendo

¿Por qué avanza el neoliberalismo en América Latina?

Por el gen natural de autodestrucción que tenemos como humanidad. Ese ego propio, el “yoísmo,’” como le llaman en psicología; abarcar todo lo posible sin importar que el otro se quede sin nada.

Partiendo de ese gen podemos desglosar las distintas vertientes que nos llevan a tratar de analizar el comportamiento colectivo de nuestras sociedades ante la política neoliberal que nos arrastra.

Neoliberalismo que siempre ha estado presente porque es patriarcal y somos sociedades patriarcales por ende los resultados son de dominio, odio, despojo y manipulación. El patriarcado no solamente es misógino, también es racista y clasista, terriblemente homofóbico. El patriarcado ha sido la imposición de la mente colonizada generacionalmente; desde hace más de 500 años, un mal que se ha convertido en genética de nuestra América mancillada y que gracias a esa idiotización en masa, los resultados son desgarradores para los pueblos y avaros para los pícaros.

Sigue leyendo

No futebol, como na vida

Tradução do Eduardo Vasco,  Diário Liberdade  

O futebol é a paixão das paixões e é algo que não está em discussão. Todos nós sabemos disso. Como a paixão tem a irreverência de nos fazer vibrar em uníssono, onde quer que estejamos, fale o idioma que falamos; pelo seu caráter universal. O objetivo é o mais próximo de tocar o firmamento com as pontas dos dedos; Quem marcou um gol conseguiu a imortalidade, então o jogo está em uma rua no subúrbio e com bola de trapo.

A paixão (como eu chamo o futebol) é a coisa mais bonita que temos na Terra, e pela felicidade que nos dá, devemos respeitá-la. Reverenciá-la sempre. Mas fazemos o contrário. Nós humanos destruímos tudo com nosso egocentrismo e nosso desrespeito. Com o nosso hábito de querer acumular tudo e entrar no caminho de qualquer pessoa que se interponha no caminho: literal.

Sigue leyendo

In football Soccer, As in Life Itself

Translated  by Marvin Najarro 

Football soccer is the passion of passions, and this is something that is not under discussion. We all know that. As a passion it has the irreverence of making us trill in unison, wherever we are, speak the language we speak; by its universal character. The goal is the closest to touching the firmament with the fingertips; who scores a goal has achieved immortality, it does no matter whether the game is played on a poor neighborhood street and with a rag ball.

Passion, (as I like to call football soccer) is one of the most beautiful thing we have on earth, and for the happiness it give us, we should respect it. Venerate it always. But we do the opposite. We humans destroy everything with our egotism and disrespect. With our habit of wanting to monopolize everything and hinder anyone who gets in our way: literally.

Sigue leyendo

Cristinazo en el Racing

A pesar de que el gobierno macrista cortó el funcionamiento de los trenes y también del servicio de internet en la localidad, Cristina se presentó el 16 de octubre en el estadio de Racing, en su cierre de campaña ante nada más y nada menos que cien mil almas. Ni los juegos de fútbol en final de Mundial logran llenar un estadio con esa magnitud.

Es bien sabido por todos el revés que tuvo Argentina en los últimos dos años: de la era progresista, en un santiamén pasó de nuevo a la era neoliberal y; las consecuencias de la equivocación del voto la están pagando caro los argentinos que pensaron que le iría mal solo al paria, por paria. El neoliberalismo agarra parejo, es máquina de destrucción masiva. En el neoliberalismo solo se salvan las oligarquías, porque están cimentadas sobre las mentes colonizadas, ignorancia, deslealtad, patriarcado, misoginia, homofobia, la falta de gratitud, de identidad y la inexistencia del sentido común.

Sigue leyendo

En el fútbol, como en la vida misma

El balompié es la pasión de pasiones y es algo que no está a discusión. Lo sabemos todos. Como pasión tiene la irreverencia de hacernos vibrar al unísono, estemos donde estemos, hablemos el idioma que hablemos; por su carácter universal. El gol es lo más cercano a tocar el firmamento con la yema de los dedos; quien anota un gol ha logrado la inmortalidad, así el juego sea en una calle de arrabal y con pelota de trapo.

La pasión, (como yo llamo al fútbol) es de lo más bello que tenemos en la tierra, y por la felicidad que no da, deberíamos respetarla. Reverenciarla siempre. Pero hacemos todo lo contrario. Los humanos lo destruimos todo con nuestro egocentrismo y nuestro irrespeto. Con nuestro hábito de querer acapararlo todo y meterle zancadilla a quien se ponga en nuestro camino: literal.

Sigue leyendo