La patria è adesso

Tradotto da Monica Monicardi

Quando Otto Pérez Molina vinse le elezioni, pensai che il Guatemala avesse toccato il fondo, una società che non è riuscita a processarlo per i crimini contro l’umanità lo stava portando alla presidenza, quella fu una pugnalata alla schiena ai famigliari delle vittime ed una mancanza alla Memoria Storica alla dignità, di per sé.

Noi abbiamo dovuto attutire il colpo nel sapere in che modo la giustizia iniziò a sbuffare, una giustizia malandata, infangata, scomparsa, sepolta nella fossa comune che esiste nella storia del Guatemala. Una macchia con il viso di bambini che muoiono di fame, di bambine violate nel più puro del suo essere, di contadini e braccianti sfruttati storicamente. Migliaia di migranti che nello sradicamento del esodo ed il sacrificio della spedizione, sognano di tornare alla patria che li ha cacciati. Sigue leyendo

A pátria é agora

Tradução do Eduardo Vasco,  Diário Liberdade  

Quando Otto Pérez Molina ganhou as eleições, pensei que a Guatemala havia chegado ao fundo do poço, uma sociedade que foi incapaz de julgá-lo pelos crimes contra a humanidade estava o levando à presidência, aquela foi uma punhalada nas costas dos familiares das vítimas e uma falta contra a Memória Histórica e contra a dignidade por si só.

Tivemos que nos calar até que a saber nem como a justiça começou a resmungar, uma justiça castigada, manchada, desaparecida, enterrada em quantas fossas clandestinas existem na história guatemalteca. Uma mancha com rosto de meninos agonizando de fome, de meninas vulneradas no mais puro de seu ser, de camponeses e jornaleiros explorados historicamente. De milhares de migrantes que no desenraizamento da diáspora e no sacrifício das remessas sonham com o retorno à pátria que os abandonou. Sigue leyendo

The Motherland is Now     

Translated  by Marvin Najarro 

 When Otto Pérez Molina won the elections, I thought that Guatemala had hit the bottom; a society that was unable to prosecute him for crimes against humanity was taking him to the presidency. To the victims’ relatives that was a stab in the back, and disrespect to Historical Memory and dignity.

We had had to put up with them until, all of a sudden, justice began to gasp, a trample down justice, desecrated, disappeared, buried in every clandestine grave in Guatemalan history. An affront with the face of children agonizing by famine, of girls transgressed in the purest of their being, of the historically exploited peasants and day laborers. Of the thousands of migrants who in the estrangement of the diaspora and the sacrifice of remittances, dream of the return to the homeland that threw them out. Sigue leyendo

Irresponsables declaraciones del vicepresidente de Guatemala

No reconozco al señor Cabrera como vicepresidente de mi país. Ni a él ni a ningún miembro del gabinete de la corrupción que ha infestado el gobierno de Guatemala.

Por haber aprovechado el río revuelto de las manifestaciones del 2015, él es vicepresidente de Guatemala, un puesto inmerecido, demasiado grande para una persona que no respeta a su pueblo. No es digno del lugar que ocupa. Él y toda la clica criminal que infesta el Estado de Guatemala no representan a nuestro país, representan a una mínima parte que votó por la continuidad de los saqueos, las empresas transnacionales, los feminicidios, las limpiezas sociales, la corrupción y el neoliberalismo; el patriarcado, el machismo y la misoginia en el país. Sigue leyendo

Incrollabile

Tradotto da Monica Monicardi

Sempre, se decidiamo di seguire i nostri sogni, quello che ci rende felici, incontreremo delle opposizioni, nella famiglia, negli amici, nella società e nel sistema. Dai   modelli di educazione, dagli stereotipi, dall’ignoranza o semplicemente dall’imposizione.   Il nostro unico strumento per difenderci è la resistenza: resistere, resistere, resistere fino all’ultimo giorno. Sigue leyendo

Ilka Oliva Corado – E adesso, Riforma Migratoria

Tradotto da Alessandra Riccio, Nostramerica 

Mi dispiace dire che non mi commuove per niente il fatto che sia cancellato il programma DACA (Deferred Action for Childhood Arrivals) che beneficiava i “Sognatori” (Dreamers). Anche se da ora in poi potrebbe trasformarsi in una legge che permetterebbe loro la residenza permanente nel caso che il Congresso legiferi a loro favore. Oppure potrebbero diventare deportabili come lo siamo noi paria. Sigue leyendo

Unbreakable

Translated  by Marvin Najarro 

Most times, if we decide to follow our dreams, that which makes us happy, we will find opposition among family and friends, society and the system; by upbringing patterns, stereotypes, ignorance or by simple imposition. Our only tool to defend ourselves is resistance: resist, resist, resist until the last day.

Resist with passion, dedication, rapture, and love. Resistance often take us to loneliness, to absolute solitude, and it is in that solitude, in the turbulence of the battle, that our fears are revealed and from the depths of our being the most sublime of our unshakable spirit emerges. If we know how to listen to it, and follow it, we will be safe from the cruelty of reality. Sigue leyendo

¿Ahora sí, vamos por la Reforma Migratoria?

Lamento decir que no me conmueve en lo más mínimo que acabe el programa DACA que beneficiaba a los “Soñadores”. Aunque de aquí en adelante puede transformarse en una ley que les permita la residencia permanente a estas personas, si en el Congreso se legista a su favor. O bien, también sean deportables como lo somos los parias.

DACA nació del río revuelto de las luchas por la Reforma Migratoria, Obama, astuto en el oficio del engaño, aprovechó el momento y les ofreció un programa que beneficiara a una minoría, apenas ochocientas mil personas, de los 30 millones que hay aquí sin documentos. Después propuso DAPA, que era otro colador que solo beneficiaba a los padres de estos “Soñadores” si tenían hijos nacidos en el país. DAPA beneficiaba a apenas a cinco millones, otros 25 quedaban fuera. (Llevan más de 20 años manteniendo la cifra de 10 millones, por embuste político). DACA fue propuesto para   personas menores de 31 años que habían llegado al país siendo niñas y habían estudiado aquí. Sigue leyendo

Crianças e adolescentes migrantes: carne de canhão

Tradução do Revista Diálogos Do Sul 

Em 2014, no princípio do verão saiu Obama com suas onze ovelhas a dar uma entrevista coletiva com caráter de urgência. Falou de uma crise de crianças migrantes que viajavam sozinhas para Estados Unidos em busca de seus pais ou fugindo da violência de seus países de origem. É claro que não se falou da violência institucionalizada, referiu-se às quadrilhas, como bandos criminosos. A “crise” como ele a chamou tem mais de 20 anos e teve caráter de urgência desde então. Sigue leyendo

O dia em que soube que não era pobre

Tradução do Diário Liberdade  

Eram os primeiros dias da década de noventa e a Ciudad Peronia começava a se encher de barracas, de gente que chegava de outros povoados e do oeste do país invadindo o setor que agora é conhecido como El Mirador. Aquilo era no cerrado, ruas de asfalto e um mercado ao ar livre, um terrão onde os vendedores tiravam sacos e caixas de papelão para servirem de mesa para colocar seus produtos. Sigue leyendo

Jimmy, no grato

Jimmy “el ungido” (con vaselina) demostró para quién trabaja y qué intereses representa. Era algo que estaba muy claro y que era imposible no percibirlo. ¿Qué fue lo que movió el voto hacia el Moralejo? Recapitulemos: la doble moral y el pensamiento de ultraderecha que habita en los racistas, clasistas y cachurecos que se vieron representados en el oportunista. “El majeador” Morales vio el río revuelto y con estaca en mano dijo: aquí me los clavo, ¡y se los clavó! ¡En nombre de Dios! No solo a ellos, a todo el país. Llegó al poder cuando el pueblo andaba bateando y le contó una de vaqueros. Sigue leyendo

Bambini, bambine e adolescenti migranti: carne da macello

Tradotto da Monica Monicardi

 Nel 2014, Obama uscì con le sue undici pecore per un comunicato stampa  con urgenza, era al principio dell’estate; parlò di una crisi di bambini migranti che viaggiavano soli verso gli Stati Uniti alla ricerca dei loro genitori o per sfuggire dalla violenza nel loro paese d’origine. Naturalmente, non si parlava della violenza istituzionalizzata, si riferiva ai marasmi, come cricche criminali. La “crisi”  come lui l’ha chiamata, ha più di 20 anni, ed è diventato urgente da allora. Sigue leyendo

Migrant children and adolescents as cannon fodder

Translated  by Marvin Najarro 

In 2014, Obama came out with his eleven sheep to give a press conference as a matter of urgency; it was early in the summer. He spoke of a crisis of migrant children traveling alone to the United States in search of their parents or fleeing violence in their home countries. Of course, there was no talk of institutionalized violence; he referred to maras (gangs) as criminal cliques. The “crisis” as he called it, is more than 20 years old, and has had an urgent character ever since. Sigue leyendo

Il giorno che ho saputo che non ero povera

Tradotto da Monica Monicardi

Erano i primi giorni degli anni novanta e Ciudad Peronia cominciava a riempirsi di baracche, di gente che arrivava da altri sobborghi e dall’occidente del paese ad occupare il settore che adesso si conosce come El Mirador. Quelli erano boschi, strade di talpetate e un mercato all’aria aperta, un terreno dove i venditori gettano i sacchi e le scatole di cartone perché possano usarle come tavola per vendere la loro merce.

Sigue leyendo

Niños, niñas y adolescentes migrantes: carne de cañón

En el 2014, salió Obama con sus once ovejas a dar una conferencia de prensa con carácter de urgente, fue por allá de principios de verano; habló de una crisis de niños migrantes que viajaban solos hacia Estados Unidos en busca de sus padres o huyendo de la violencia en sus países de origen. Por supuesto, no se habló de la violencia institucionalizada, se refirió a las maras, como clicas criminales. La “crisis” como él le llamó, tiene más de 20 años, y ha tenido carácter de urgente desde entonces.

Viene a raíz de la creación del Tratado de Libre Comercio de América del Norte, que involucra a México, Estados Unidos y Canadá (1991). Posteriormente viene el Tratado de Libre Comercio entre Estados Unidos, Centroamérica y República Domincana (2004). De aquí nos vamos a el Plan Mérida o Plan México (2008). Copia del Plan Colombia. Para terminar de rematar crean el Plan Alianza para la Prosperidad del Triángulo Norte de Centroamérica en el (2015). Sigue leyendo

O dia em que eu soube que não era pobre

Tradução do Revista Diálogos Do Sul 

Eram os primeiros dias da década de noventa e a Ciudad Peronia começava a encher-se de migrantes, de gente que chegava de outros arrabaldes e do ocidente do país a invadir o setor que agora é conhecido como El Mirador.

Aquilo era um matagal, ruas de terra e um mercado ao ar livre, um terreiro onde os vendedores espalhavam sacos e caixas de papelão para servir de mesa para expor suas mercadorias. Sigue leyendo

The day I learned I was not poor

Translated  by Marvin Najarro 

In the early days of the 1990s, Ciudad Peronia began to fill with shacks and people who came from other poor neighborhoods and from the country’s west to invade the sector now known as El Mirador. It consisted of brushwood, tepetate streets, and an open-air market; a dusty place where vendors threw empty sacks and cardboard boxes to serve as a table to display their products on. Sigue leyendo

Venezuela amanheceu Chavista e a Guatemala vassala

Tradução do Revista Diálogos Do Sul 

Guatemala esteve em evidência; lá inventaram a manifestação aos sábados para ir se bronzear, porque sua vontade não dava para se manifestar em dia de semana; lá estavam com batucadas, panelas, cartazes, chocalhos, diziam que lutavam contra a corrupção do governo; alguns mais abusivos se auto proclamaram netos de Arbenz e passeavam cartazes com as fotos do pobre homem. Essas mesmas pessoas continuam negando o Genocídio.

Alguns mais insolentes ainda se atreveram a dizer que eram povo, e davam três pancadas no peito, depois quase desmaiavam de febre de sábado de ceviches e bronzeados, e caiam esparramados justo no momento da foto; o objetivo era sair na primeira página da mídia internacional, fingindo consciência política. Enchiam a boca gritando que eram a geração da mudança, que não sei o que e que não sei quanto, que aqui e lá. Que se haviam metido com a geração equivocada; com isso faltando ao respeito às gerações passadas que foram torturadas, assassinadas e desaparecidas pelo exército da Guatemala. Sigue leyendo

Cuando el abusador es un familiar

La migración forzada es una tragedia que parte en dos a las familias que la viven. Es una pérdida total, una pérdida irreparable, porque no hay remesa que logre llenar el vacío de la ausencia, y no hay para quien migra, sosiego alguno; la añoranza es una herida abierta que sangra constantemente en el infortunio de ser extranjero y explotado, estar lejos de lo que más se ama. No hay reparo para el alma de quienes son golpeados por esta vejación, producto de sistemas fallidos, corrompidos y opresores.

Los padres se ven obligados a migrar al encontrarse sin recurso alguno para alimentar a sus hijos y ofrecerles oportunidades de desarrollo, y se van buscando algo que nunca van a encontrar, porque el paria es paria en cualquier lugar, y en la catástrofe dejan a sus hijos a cargo de familiares, ya sean los abuelos o los tíos, confiando en que estos cuidarán de ellos de una manera responsable. Sigue leyendo

Gerações vencidas

Tradução do Revista Diálogos Do Sul 

América Latina, com suas muitas cores, sua fecundidade, seus Povos Originários e seus mártires, é uma terra de contradições e entre estas estão as gerações vencidas; acomodadas nas sombras do descaramento, do oportunismo e da indolência. Gerações que se negam a uma identidade própria e que pisoteiam todo rastro de memória e dignidade.

Gerações ineptas, adormecidas, incapazes de valer-se por si mesmas. Incapazes de atrever-se a criar, a questionar, a formular uma análise própria, que se acostumaram a cortar e colar; a se esconder por trás das palavras e ações de outras pessoas porque fazê-lo não exige responsabilidade alguma pelos próprios atos. São pois as marionetes com as quais se burla um sistema de dominação que cada vez se alicerça mais sobre a raiz inerte dos que esquecem com facilidade, porque vivem flutuando em uma bolha de indolência e individualismo. Sigue leyendo