The Return of Silverio 

Translated by Marvin Najarro Silverio was two years old when his father immigrated to the United States as an undocumented immigrant, his sisters Bartola and Chucita were three and four years old. For a long time, they only knew his voice through the phone calls he used to make on weekends, and the two pictures their mother had next to him; there were no family pictures.  By the time technology arrived in their native Lelá Chancó, Camotán, Chiquimula, Guatemala, they did not have money to buy a cell phone to make video calls, until their father who lived in Washington,…

Continuar leyendo…

Il ritorno di Silverio

Tradotto da Monica Manicardi Silverio aveva due anni quando suo padre emigrò senza documenti negli Stati Uniti, le sue sorelle Bartola e Chucita avevano tre e quattro anni. Per anni hanno conosciuto la sua voce solo quando telefonava nei fine settimana e guardavano le uniche due fotografie che  sua madre aveva insieme a  lui, nessuna con la famiglia. Quando la tecnologia arrivò nella sua nativa Lelá Chancó, Camotán, Chiquimula, Guatemala, non avevano soldi per un telefono cellulare con i quali si possono effettuare video chiamate, il cellulare arrivò a loro in un pacco inviato  dal padre da Washington dove lavorava come muratore. Fu…

Continuar leyendo…

O retorno de Silverio

Tradução do Beatriz Cannabrava, Revista Diálogos do Sul Silverio tinha dois anos quando seu pai emigrou de forma indocumentada para os Estados Unidos, suas irmãs Bartola e Chucita tinham três e quatro. Durante anos só conheceram sua voz quando ele chamava por telefone nos fins de semana e observaram as únicas duas fotografias que sua mãe tinha junto com ele, nenhuma com a família.  Quando a tecnologia chegou à sua natal Lelá Chancó, Camotán, Chiquimula, Guatemala, eles não tinham dinheiro para comprar um telefone celular com os quais se podem realizar videochamadas; isso lhes chegou em uma encomenda que lhe enviou…

Continuar leyendo…

El retorno de Silverio

Silverio tenía dos años cuando su papá emigró de forma indocumentada hacia Estados Unidos, sus hermanas Bartola y Chucita tenían tres y cuatro. Durante años sólo conocieron su voz cuando él llamaba por teléfono los fines de semana y observaron las únicas dos fotografías que tenía su madre junto a él, ninguna en familia.  Para cuando la tecnología llegó a su natal Lelá Chancó, Camotán, Chiquimula, Guatemala, ellos no tenían dinero para un teléfono celular con los que se pueden realizar videollamadas, les llegó en una encomienda que les envió su padre desde Washington donde trabajaba de albañil. Así fue…

Continuar leyendo…