Ilka Oliva Corado: Otro mundo sería si a los niños en lugar de violentarlos se les dieran pinceles y lapiceros

Comparto entrevista realizada por el diario La Hora, Guatemala. Agradeciendo a Mariela Castañón por dar cobertura a mi trabajo literario. POR MARIELA CASTAÑÓNmcastanon@lahora.com.gt A finales del mes de agosto, la escritora guatemalteca Ilka Oliva Corado, publicó su libro número 14, llamado Norte, que contiene una compilación de relatos cortos que ha escrito durante quince años de su estadía en Estados Unidos. Oliva Corado, migrante guatemalteca, quien ha caracterizado por su capacidad de escritura y por expresar contundencia en sus ideas y pensamientos sobre determinados temas, también se ha dedicado a pintar en los últimos meses. La escritora concedió una entrevista…

Continuar leyendo…

Ilka Oliva Corado: Mi poesía no es pensada, es sentida

Comparto la entrevista realizada por Mariela Castañón en el Diario La Hora, de Guatemala, por motivo de la publicación de mi poemario Invierno. LA ESCRITORA GUATEMALTECA PUBLICÓ SU TRECEAVO LIBRO POR MARIELA CASTAÑÓNmcastanon@lahora.com.gt La escritora guatemalteca Ilka Oliva Corado presentó hace algunos días su poemario Invierno, el libro número 13 que ha publicado en los últimos años. Oliva Corado explica que su libro contiene 20 poemas cortos propios del invierno, el silencio, la interiorización y la introspección. Ilka indica que este poemario marca otra etapa de su vida, no solo como poeta, sino también como persona. En una entrevista concedida…

Continuar leyendo…

Entrevista com Ilka Oliva Corado: Minha escrita é catártica, é um processo de restauração

Tradução do Eduardo Vasco, Diário Liberdade  Mariela Castañón, jornalista guatemalteca, procura sempre, de uma maneira ou de outra, abrir portas para mim na Guatemala, país que marginaliza e obriga a migrar os mais vencidos do sistema. Aqui compartilho uma entrevista que fiz para o jornal La Hora nestes dias, por causa de minha participação na Feira Internacional do Livro da Venezuela e a publicação de meu livro na editora El Perro y la Rana. Agradeço a Mariela por fazer chegarem minhas palavras ao meu país de origem. A escritora guatemalteca Ilka Oliva Corado, foi convidada para a Feira Internacional do…

Continuar leyendo…

ILKA OLIVA CORADO: La mia scrittura è catartica, è un processo di restaurazione

Tradotto da Monica Manicardi Di Mariela Castaňon La scrittrice guatemalteca Ilka Oliva Corado, è stata invitata alla Fiera Internazionale del Libro del Venezuela (Filven) 2018 (dal 8 al 18 di novembre), dove ha trattato i  dettagli del suo libro “Storia di una indocumentata, attraversamento nel deserto di Sonora-Arizona” e ha condiviso la sua testimonianza come sopravvissuta alla frontiera, nell’anno 2003. Oliva Corado ha concesso un’intervista a LH VOZ del Migrante e spiega in cosa consiste la sua partecipazione al Filven, la sua esperienza e la sua scrittura. LH VOZ del Migrante:Ho saputo che qualche giorno fa ha presentato uno dei suoi…

Continuar leyendo…

Mariela Castañon: continuo a credere  nel giornalismo umano

Tradotto da Monica Manicardi Mariela Castañon è una giornalista che si dedica all’infanzia e alla gioventù dei sobborghi, una delle poche che in Guatemala sentono e fanno loro l’impegno di denunciare l’abuso sistematico che soffrono. Da voce a queste persone invisibili per i diritti umani ma perfettamente visibili per l’abuso. Ho avuto l’opportunità di farle una breve intervista riguardo al tema del Hogar Seguro e sull’indagine nelle denunce di tortura e abuso sessuale che hanno subìto le bambine e gli adolescenti rinchiuse in questo luogo che era a carico del governo. Occorre ricordare che Mariela è stata la prima giornalista…

Continuar leyendo…

Mariela Castañón: “I still believe in human journalism”

Translated  by Marvin Najarro  Mariela Castañón is a journalist committed to the children and youth of the impoverished areas, she’s one of the few Guatemalans who wholeheartedly denounce the systematic abuse they suffer. She gives voice to those ignored by human rights but perfectly visible for abuse. I had the opportunity to briefly interview her about the case of the Safe Home, and her investigation into the allegations of torture and sexual abuse suffered by the girls and adolescents housed in that state-run place. It’s worth noting that Mariela was the first journalist to denounce from the newspaper La Hora…

Continuar leyendo…

Mariela Castañón: “Sigo acreditando no jornalismo humano”

Tradução do Eduardo Vasco, Diário Liberdade Mariela Castañón é uma jornalista comprometida com a infância e juventude do subúrbio, uma das poucas que na Guatemala sentem e fazem seu o compromisso de denunciar o abuso sistemático que sofrem. Dá voz a essas pessoas invisíveis para os direitos humanos mas perfeitamente visíveis para o abuso. Tive a oportunidade de realizar uma breve entrevista em torno do tema do Hogar Seguro [centro de “acolhimento” para jovens em situação vulnerável, nos arredores da Cidade da Guatemala, onde houve um incêndio em 8 de março de 2017 (NT)] e sua investigação nas denúncias de…

Continuar leyendo…