“As mulheres são sempre as mais afetadas por essas políticas de austeridade”

Tradução do Revista Diálogos do Sul  Em entrevista para Crônicas de uma inquilina, Beatriz Cannabrava e Vanessa Martina Silva falam sobre o cenário político e as eleições no Brasil No Brasil se falava de direitos humanos, de políticas de inclusão, de um Brasil nos BRICS. Celebrava-se o matrimônio igualitário. Tudo mudou em questão de segundos. Em entrevista para Crônicas de uma inquilina, Beatriz Cannabrava e Vanessa Martina Silva, ambas editoras na revista brasileira Diálogos do Sul, falam sobre a atual situação política do Brasil e das futuras eleições. Confira a entrevista: O que aconteceu que o povo foi incapaz de impedir…

Continuar leyendo…

O germe do fascismo

Tradução do Revista Diálogos do Sul  Como um mal hereditário, nas novas gerações se reproduz com facilidade porque são gerações desvalidas, abandonadas à intempérie, carcomidas. Infestadas desse gene que acaba com o cérebro em um piscar de olhos, estas gerações não sabem de primaveras, têm vivido invernando em quartos escuros desde sempre, não conhecem o calor do sol nem a alegria do trinado das aves, são incapazes de sentir algo que esteja fora da margem de seu radar de fascistas. Inclusive não sabem que o são, porque carecem de raciocínio.  Estas gerações são como pacotes empilhados que carregam e descarregam em…

Continuar leyendo…

Destruir o progressismo e seus líderes para destruir o povo latino-americano

Tradução do Eduardo Vasco, Diário Liberdade Que não sobre nada da América Latina progressista, nenhum rastro do Niño Arañero [Hugo Chávez (NT)], de Néstor, de Lula, de Dilma, nenhum vestígio de Evo, de Correa, de Maduro, nenhuma marca de Mujica, de Lugo, de Manuel Zelaya. E, obviamente, nenhum indício de Cristina. E que não reste dúvida alguma de que também tentarão destruir Lopez Obrador. Destruir os líderes para destruir o povo. Destruir a memória histórica porque destruindo a raiz não há broto algum e os povos despelados se tornam marionetes e massa amorfa manipulável para os criminosos da oligarquia latino-americana…

Continuar leyendo…

Os olhares perdidos nos vazios do tempo e do esquecimento provenientes do Norte migrante

Tradução do Revista Diálogos do Sul  Com um nó na garganta, penso nas milhares de crianças que também crescerão na miséria e na exploração e que em suas vidas rotas também se converterão em homens adultos, com olhares perdidos nos vazios do tempo e do esquecimento. Estou no supermercado e vou para os balcões de frutas buscando abacaxi. No balcão da frente onde estão as laranjas e limas, está um homem mexicano colocando fruta fresca; tem o olhar vazio e as mãos cansadas, como a maioria dos indocumentados. Pego dois abacaxis e uma dúzia de bananas e volto o olhar para…

Continuar leyendo…

O som da norte

Tradução do Eduardo Vasco, Diário Liberdade Ontem eu estava andando pela Michigan Avenue no centro de Chicago e em frente ao lago havia um show anual de avião em que aviões da Força Aérea participam e em que eles realizam muitas piruetas, um evento assistido por milhares de espectadores. Toda vez que sobrevoavam o centro da cidade, um som sombrio e terrível estagnava entre as ruas e os arranha-céus produzindo um eco que acelerava o coração e paralisava a multidão que caminhava no centro da cidade no verão, um som aterrorizante: o som da morte. A cada três minutos eles…

Continuar leyendo…

O recurso do terror contra indocumentados nos EUA: dar asas aos racistas

Tradução do Revista Diálogos do Sul  Algo mudou do governo do Obama para o de Trump e foi o recurso do terror contra indocumentados nos EUA; o palavreado fascista e machista de Trump deu asas aos racistas que não são apenas os caucasianos, mas todo aquele que se crê superior: e aí entram asiáticos, negros endinheirados, europeus, latino-americanos direitistas, fascistas em geral. Nos Estados Unidos não é novo o tema do racismo nem o da xenofobia; dizem os Povos Originários do norte do continente americano que os invasores utilizaram esses recursos contra eles, enquanto realizavam o maior genocídio da história e…

Continuar leyendo…

Mariela Castañón: “Sigo acreditando no jornalismo humano”

Mariela recebendo o Prêmio Nacional de Jornalismo 2017 das mãos da jornalista Carolina Vásquez Araya Tradução do Eduardo Vasco, Diário Liberdade Mariela Castañón é uma jornalista comprometida com a infância e juventude do subúrbio, uma das poucas que na Guatemala sentem e fazem seu o compromisso de denunciar o abuso sistemático que sofrem. Dá voz a essas pessoas invisíveis para os direitos humanos mas perfeitamente visíveis para o abuso. Tive a oportunidade de realizar uma breve entrevista em torno do tema do Hogar Seguro [centro de “acolhimento” para jovens em situação vulnerável, nos arredores da Cidade da Guatemala, onde houve…

Continuar leyendo…

Lenín Moreno e a grande traição a Rafael Correa e à Revolução Cidadã do Equador

Tradução do Revista Diálogos do Sul  A mostra mais recente do que significa a traição a um povo está sendo vivida nestes momentos no Equador, que confiou plenamente em Lenín Moreno (2018-atual) e o escolheu como mandatário graças ao ex-presidente Rafael Correa (2007-2017) que o apoiou e o honrou com o respaldo em um momento crítico para toda América Latina. Mas nem Correa nem os povos latino-americanos nunca podiam imaginar que ele seria o grande traidor dos últimos cem anos no continente e com todo o seu ódio e mesquinhez (porque ele sabe muito bem que jamais chegará a ser nem…

Continuar leyendo…

O recurso do terror: abrir alas aos racistas

Tradução do Eduardo Vasco, Diário Liberdade Nos Estados Unidos, a questão do racismo e da xenofobia não é nova; Dizem os povos indígenas do norte do continente americano, que os invasores usaram contra eles, enquanto realizavam o maior genocídio da história e depois prendê-los em prisões às que deram o nome de reservas. Os milhares de chineses indocumentados que foram usados ​​para construir a ponte de São Francisco poderiam falar sobre a questão do racismo. Os afrodescendentes podiam falar do tempo da escravidão e da invasão do continente africano. Eles podiam falar de prisões, parques, estradas públicas, esportes federados, fábricas…

Continuar leyendo…

Correa e a revolução cidadã

Tradução do Eduardo Vasco, Diário Liberdade A amostra mais recente do que a traição significa para um povo está sendo atualmente vivida no Equador, que confiou plenamente em Lenin Moreno e o escolheu como seu presidente graças a Rafael Correa, que colocou seu peito para ele e o honrou com o apoio. em um momento crítico para toda a América Latina; mas nem Correa nem os povos latino-americanos jamais imaginaram que ele seria o grande traidor dos últimos cem anos no continente e que com todo o seu ódio e mesquinharia (porque ele sabe muito bem que nunca será mesmo…

Continuar leyendo…

Por que é tão necessário construir uma memória histórica latino-americana?

Tradução do Revista Diálogos do Sul  Por que é tão necessário construir uma memória histórica latino-americana? Porque é necessário que o “Nunca Mais” se enraíze na identidade do povo latino-americano, porque é urgente que a impunidade dê passagem à justiça, porque é imprescindível resgatar a memória histórica da omissão dos governos direitistas, porque é urgente que se torne verdade em um povo amnésico.   Porque uma sociedade sem memória é um povo à deriva. Um país que desconhece seu passado e ao qual ensinaram a renegá-lo é um povo manipulado que obedece sem reclamar o mandato dos traidores. Porque não é…

Continuar leyendo…

Quem se importa com migrantes? Mortos em vida, eles migram para morrer mil vezes mais

Tradução do Revista Diálogos do Sul  Os sinais mais visíveis das ditaduras impostas pelos Estados Unidos na América Latina podem ser vistos todos os dias nos milhares de migrantes que são obrigados a sair de seus países de origem para buscar salvar suas vidas e conseguir teto e comida nos Estados Unidos, que é apresentado pelos especialistas como a Meca, como água que mata a sede, como a terra de sonho onde todos os desejos se tornam realidade. Uma América Latina empobrecida pelos governos neoliberais pós-ditaduras, formados por turbas de corruptos e saqueadores. Eles que criaram quadrilhas de narcotráfico e tráfico…

Continuar leyendo…

O suplício de ser haitiano ou descendente de haitianos na República Dominicana

Tradução do Eduardo Vasco, Diário Liberdade   Dois países irmãos, afrodescendentes com uma mistura da imensa quantidade de escravos trazidos pelos reinos da França, Espanha e dos corsários holandeses e anglos por cinco séculos. Dois países que compartilham uma ilha no meio do mar, com o mesmo tecido social e com a diferença mínima da língua: na República Dominicana fala-se o espanhol e no Haiti o crioulo.   Ambos os países empobrecidos, invadidos, agredidos e dominados por máfias que tomaram os governos durante décadas. Oligarquias que reproduzem ódio, racismo e exclusão em sua conveniência. Que escravizam e expulsam.   Não…

Continuar leyendo…

Migrar mortos em vida para morrer mil vezes mais

Tradução do Eduardo Vasco, Diário Liberdade Os traços mais visíveis das ditaduras impostas pelos Estados Unidos na América Latina podem ser vistos todos os dias nos milhares de migrantes que são forçados a deixar seus países de origem para tentar salvar suas vidas e obter abrigo e comida nos Estados Unidos. ; que é apresentado por especialistas em mentiras como a Meca, como a água que mata a sede, como a terra onde todos os sonhos se tornam realidade. Uma América Latina empobrecida pelos governos neoliberais depois de ditaduras compostas de multidões de corruptos e saqueadores; que criaram gangues de…

Continuar leyendo…

Venezuela: a grande lição

Tradução do Eduardo Vasco, Diário Liberdade Apoiando Maduro, o povo venezuelano segue fiel ao sonho libertador do Niño Arañero [como é apelidado Hugo Chávez, NT]. Não adiantaram de nada os milhões de dólares que gastaram os intervencionistas e as oligarquias latino-americanas em propaganda e midiatização, tentando desacreditar a inteligência natural, a dignidade e a Memória Histórica do povo venezuelano que não se deixa enganar com as artimanhas dos conspiradores. Eles, mais que ninguém, sabem que um voto mal dado pode levá-los de volta ao retrocesso, como ocorreu com a maioria dos países latino-americanos nos que o voto foi manipulado: com…

Continuar leyendo…