Comandanta Ramona inspira novas gerações de mulheres indígenas na busca por seus direitos

Tradução do Beatriz Cannabrava, Revista Diálogos do Sul Sai do trabalho, são por volta das seis da tarde; nesse dia limpou duas casas, a última lhe tomou mais tempo do que de costume porque seus empregadores iranianos tiveram celebração de Natal, um Natal atrasado que celebram em 7 de janeiro no calendário Juliano; a dona da casa lhe explicou isso em inúmeras ocasiões, quando ela está passando pano e a patroa aparece para contar-lhe histórias de seu país e de seus antepassados. Tomasina sempre a deixa falar sem deixar de passar pano, mal entende inglês. Quando chegou encontrou a casa…

Continuar leyendo…

January 1st, Just Like Any Another Day

Translated  by Katrina Hassan Catalina buys the chicken first thing in the morning, together with the vegetables that will accompany the dish. She also buys the fruit to make punch. She would like to make tamales but it is too much work to do on her own. When Catalina finishes work she is too tired. She barely has any energy left to clean her small apartment, where she lives with her two kids. Juan is 12 and Guadalupe is 3. Today she must go to the laundromat because her building doesn’t have a laundry room. She is running late to prepare…

Continuar leyendo…

En madrugada de hielo negro

Sale del trabajo, son alrededor de las seis de la tarde, ese día limpió dos casas, la última le tomó más tiempo de lo que se hace con regularidad porque sus empleadores iraníes tuvieron celebración de navidad, una navidad atrasada que celebran el 7 de enero en el calendario Juliano, le ha explicado la dueña de la casa en innumerables ocasiones cuando a medio trapear se le ha aparece para contarle historias de su país y de sus antepasados. Tomasina siempre la deja hablar sin parar de trapear, apenas entiende inglés.  Cuando llegó encontró la casa patas arriba, ni porque…

Continuar leyendo…

Primero de enero, un día más

Compra la gallina a primera hora en la mañana, las verduras con las que acompañará el plato y las frutas para el ponche, Catalina quiere hacer tamales, pero es mucho trajín para ella sola y con lo cansada que sale del trabajo apenas tiene energía para la limpieza del apartamento en donde vive con sus dos hijos.  Juan, de 12  y Guadalupe,  de 3. Pero esta vez le toca llevar a lavar la ropa a la lavandería, en el edificio en donde viven no hay lavadoras, se atrasará en la preparación de la cena de fin de año.  Catalina emigró a Estados Unidos…

Continuar leyendo…

Sociedade demonstra o quão medíocre é quando além de não fazer nada, ainda esbanja soberba nas redes

Tradução do Beatriz Cannabrava, Revista Diálogos do Sul Muitas vezes em um ato de inconsciência total, acreditamos, porque tivemos a maravilhosa oportunidade de aceder à leitura de livros, dúzias ao longo de nossa vida, podemos burlar-nos daqueles que foram empobrecidos no nível da miséria e cada vez que podemos lhes fazemos ver que jamais estarão no nosso nível intelectual e socioeconômico.  É com eles que nos jactamos de nossos títulos universitários, porque estão tão por baixo na classificação da escala social que o sistema faz, que sabemos que passarão cem anos e seus descendentes terminarão limpando a casa dos nossos.…

Continuar leyendo…

Xiomara Castro, il rinascere dell’Honduras

Tradotto da Monica Manicardi Hanno fatto molto male le umiliazioni subite dai migranti centroamericani privi di documenti che hanno cercato di attraversare il Messico per raggiungere gli Stati Uniti, cercando di salvarsi dalla violenza istituzionale del narco-Stato; nel caso del Guatemala, El Salvador e Honduras.  Il famoso triangolo del nord tanto sbandierato qua e là dai politici nel discorso delle imprese multinazionali  a fronte di una briciola che gettano dalla sedia a dondolo su cui si sdraiano; placidi e indifferenti, si prendono le viscere della terra che stanno prosciugando, perché non è la loro, è quella dei popoli che sono stati disonorati…

Continuar leyendo…

Xiomara Castro, the Rebirth of Honduras

Translated by  Marvin Najarro Painful have been the humiliations suffered by the undocumented Central American migrants trying to cross Mexico to reach the United States, seeking to escape the institutional violence of the narco-state, namely Guatemala, El Salvador and Honduras. The notorious Northern Triangle that opportunistic politicians toss around in their speeches on behalf of the transnational corporations, which in exchange for some crumbs they throw around, sack the entrails of the land, destroying what it doesn’t belong to them but to the peoples who have been reviled for centuries.    Victims of corruption, impoverished and mistreated, these people have been…

Continuar leyendo…