Núcleo patriarcal

Vivimos en sociedades patriarcales, misóginas y machistas; como resultado de este patrón, la violencia contra las mujeres es sistemática y estructural. Y también, por más indigno que sea es una violencia normalizada porque la mujer sigue siendo vista como un objeto que le pertenece a quien lo compra.

Por esa razón vemos a padres, hermanos, abuelos, amigos, amantes, compañeros, creyéndose dueños de sus hijas, hermanas, nietas, amigas, amantes, compañeras. Y lo mismo con los desconocidos, se creen tan dueños de cualquier mujer que se sienten con la libertad de poder excluirlas, insultarlas, golpearlas, violarlas, asesinarlas y desaparecerlas.

Sigue leyendo

Lenín Moreno, o grande traidor do progressismo latino-americano

Tradução do Eduardo Vasco, Diário Liberdade 

Apenas alguns meses atrás celebrávamos a vitória de Lenin Moreno, que prometeu dar continuidade à Revolução Cidadã que Rafael Correa iniciou; ele resultou ser uma fraude, dando o pior golpe ao progressismo latino-americano na última década: Lenin Moreno mordeu a mão daquele que o alimentava.

Moreno superou Temer, seu ódio por seu país foi mais longe, assim como Temer não suportou a luz de seus presidentes, Temer não poderia com Dilma e Moreno nunca poderá com Rafael Correa, porque Correa, como Dilma, é simplesmente imortal na memória dos povos.

Sigue leyendo

No es Venezuela, es el resto de Latinoamérica

Mientras a nosotros, los informativos corporativos nos bombardean con noticias sobre Venezuela: que la hambruna, que la dictadura de Maduro…, en el resto del continente se vive la embestida del neoliberalismo.

Mientras nosotros, “no queremos ser como Venezuela” en nuestros países se llevan a cabo desfalcos millonarios, mueren cientos de niños por desnutrición, se llevan a cabo limpiezas sociales, nos mantienen atemorizados con la violencia común que en realidad es violencia institucionaliza, se realizan robos de tierras por parte de los gobiernos y las oligarquías; con esto oprimiendo a las comunidades que las habitan y si es necesario haciéndolas desaparecer.

Sigue leyendo

La diferencia entre un abrigo y un inodoro

“Como te ven te tratan” frase que he escuchado desde mi infancia, y eso ha sido cuña en la sociedad para vivir de apariencias y que la gente pretenda en lugar de ser.

Hoy quiero compartirles una fotografía, bueno, dos. Dos fotografías que publiqué en mis redes sociales el mismo año en distinta fecha. En la primera, estoy limpiando un baño en mi trabajo y en la segunda estoy con un abrigo en la reserva forestal a donde suelo ir a caminar y a hacer bicicleta.

Sigue leyendo

Poema Luz de Faro, para Carolina Vásquez Araya

Luz de faro

 

(12 de octubre de 2012)

Para Carolina Vásquez Araya

 

Como luciérnaga encendida

en noche tibia de verano

cual brasa viva que rescolda en polletón

fogata ardiente en astilla de ocote verde

así es la llama de tu savia afable.

Sigue leyendo

Lenin Moreno, the Archtraitor of Latin American Progressivism

Translated  by Marvin Najarro 

Just a few months ago we celebrated the victory of Lenin Moreno who promised to continue with the Citizen Revolution initiated by Rafael Correa, he turned out to be a fraud, inflicting the worst blow to Latin American progressivism in the last decade; Lenin Moreno bit the hand of the one who fed him.

In his hatred for his own country Moreno surpassed Temer, both of them could not stand the light of his presidents: Temer unable to reach Dilma’s stature, and Moreno who will never outdo Rafael Correa’s, because both Correa and Dilma are already immortal in their peoples memory.

Sigue leyendo

Lenín Moreno, il grande traditore del progressismo latinoamericano

Tradotto da Monica Manicardi

Appena qualche mese fa abbiamo celebrato la vittoria di Lenìn Moreno, il quale aveva promesso di dare continuità alla Rivoluzione Cittadina che iniziò con Rafael Correa; è risultato essere un impostore, procurando il peggior colpo al progressismo latinoamericano nell’ultimo decennio: Lenìn Moreno ha sputato nel piatto in cui ha mangiato.

Moreno ha superato Temer, il suo odio per il suo paese è andato oltre, così come Temer non può sostenere la luminosità dei suoi presidenti, Temer non è riuscito ad essere come Dilma e Moreno non potrà mai essere come Rafael Correa, perché Correa come Dilma semplicemente sono già immortali nella memoria dei popoli.

Sigue leyendo

“Educar a nuevas ciudadanías, historia de una indocumentada, migrar desde Latinaomérica hacia EE.UU”

 

Mis amores, les comparto que en la Escuela de Psicología y Ciencias de la Formación, de la Universidad de Bolonia, en la sede de Rimini, se estará llevando a cabo el 30 de noviembre, un seminario sobre las temáticas de migración latinoamericana hacia Estados Unidos.

Una especie de mesa redonda  donde está incluido mi libro de Travesía. El nombre del seminario es: “Educar a nuevas ciudadanías, historia de una indocumentada, migrar desde Latinoamérica hacia EE.UU”.

Lo presentan: Luigi Guerra, Federica Tarabusi, Arianna Taddei, Armida Loffredo y Maria Rossi.

Muy agradecida por la oportunidad que le están dando a mi libro en Italia y por el interés en dar a conocer la temática de las migraciones forzadas.

Oasis de la incoherencia y el oportunismo

Sociedades de doble moral, sociedades incoherentes y chambonas que forman vergeles de tierra fértil para la impunidad de los oportunistas. Sociedades racistas, misóginas, clasistas donde proliferan los peleles. Los cómodos y los insensibles: peor aún, los solapadores. Guatemala es una sociedad de esas.

En Guatemala los absurdos en materia de Derechos Humanos se cuentan hasta el infinito, uno tras otro, ya es costumbre que poblaciones enteras de indígenas sean despojadas de sus tierras, les quemen sus casas y asesinen desde el brazo armado de las clicas criminales que pupulan en el gobierno y que defienden intereses oligárquicos.

Sigue leyendo

Ilka Oliva: It has been the written words that have given voice to the unfathomable emptiness that inhabits me

Translated  by Marvin Najarro 

By Mariela Castañón

Ilka Oliva is a Guatemalan writer who has lived in the United States for almost 15 years. She migrated to the United States without the proper documentation after a professional disappointment. The challenges she has faced have not kept her from exceling in writing. He has published 12 books that have been translated into several languages.

Oliva gave an interview to La Hora Voz del Migrante and explained the reasons why she is away from Guatemala, the situation of the migrants, the challenges and the goals accomplished.

LH Voz del Migrante: How long have you been living in the United States, and what circumstances forced you to leave Guatemala?

 Ilka Oliva: On November it will be 15 years since I’ve been living here. I emigrated because of a professional disappointment, I was a football soccer referee in Guatemala and I was preparing to become an international referee, that was my dream, I wanted to represent Guatemala in women’s refereeing, I bet on my country, I fought with all the forces of my being for that dream, but in the Football Soccer Referee Committee they wanted to get me into bed in exchange for the international referee’s badge. I was so disappointed that without thinking it twice I decided to put some distance between me and Guatemala, the only option available for me at that time was to leave without documents, crossing Mexico.

Sigue leyendo

The Charm of Che

Translated  by Marvin Najarro 

The United States is a country with an impressive diversity of cultures. At a traffic light stop, waiting to cross the avenue, there may be fifty people from different countries, and they all have a history, a past, a root. The number of religions and of political thinking is also that diverse. In a social gathering, in a restaurant, in a simple supermarket or in the park you can find a variety of cultures and languages that are impossible to identify.

And I have met people from countries that I did not know they existed and which they have had to show me on a map, and that when starting a conversation with me they ask me about Che, Allende, Chavez and Fidel, as if waiting for me to tell the stories of those myths which they take for granted that I know by heart. And there they are like children waiting to be told a story.

Sigue leyendo

Il fascino del Che

Tradotto da Monica Manicardi

Gli Stati Uniti sono un paese con una diversità di culture impressionante. Alla fermata di un semaforo, aspettando di attraversare la strada, ci possono essere cinquanta persone e tutte sono di un paese differente e tutte hanno la loro storia, un passato, le loro radici. Anche le numerose religioni e il pensiero politico sono varie. In un incontro mondano, in un ristorante, in un semplice supermercato o in un parco si può incontrare una varietà di culture e idiomi che è impossibile identificare.

E mi sono incontrata con persone che non sapevo della loro esistenza e che mi hanno dovuto indicare nella mappa, e che instaurando una conversazione con me mi domandano del Che, di Allende, di Chàvez e di Fidel. Come se aspettassero che io racconti le storie di questi miti, dando per scontato che li conosca a memoria. E stanno li aspettando come dei bambini che gli racconti la storia.

Sigue leyendo

O encanto do Che

Tradução do Eduardo Vasco, Diário Liberdade 

Os Estados Unidos são um país com uma diversidade de culturas, impressionante. À beira de um semáforo, à espera de atravessar a avenida, pode haver cinquenta pessoas e todos são de países diferentes e todos têm uma história, um passado, uma raiz. A quantidade de religiões e o pensamento político também são variados. Em uma reunião social, em um restaurante, em um supermercado simples ou no parque você pode encontrar uma variedade de culturas e línguas que são impossíveis de identificar.

E conheci pessoas de países que não sabia que existiam e que tiveram que me mostrar no mapa, que quando começaram uma conversa comigo, me perguntam sobre Che, Allende, Chavez e Fidel. Gostaria de me esperar para contar histórias desses mitos, que dão por certo que eu sei de cor. E aí estão como crianças esperando por contar uma história.

Sigue leyendo

Lenín Moreno, el gran traidor del progresismo latinoamericano

Apenas hace unos meses celebrábamos la victoria de Lenín Moreno, quien prometía dar continuidad a la Revolución Ciudadana que inició Rafael Correa; resultó ser un farsante, dando con esto el peor golpe al progresismo latinoamericano en la última década: Lenín Moreno mordió la mano de quien le daba de comer.

Moreno sobrepasó a Temer, su odio a su país fue más allá, tal como Temer no soportaron la luz de sus presidentes, Temer no pudo con Dilma y Moreno no podrá jamás con Rafael Correa, porque Correa como Dilma simplemente ya son inmortales en la memoria de los pueblos.

Sigue leyendo

O encantamento do Che

Tradução do Revista Diálogos do Sul 

Os Estados Unidos é um país com uma diversidade de culturas impressionante. Parados num semáforo, esperando cruzar uma avenida, podem passar cinquenta pessoas e todas são de diferentes países e todas têm uma história, um passado, uma raiz. A quantidade de religiões e pensamento político é também assim de variada. Em uma reunião social, num restaurante, num simples supermercado ou no parque pode-se encontrar uma variedade de culturas e idiomas que é impossível identificar.

Já me encontrei com pessoas de países que eu nem sabia que existiam e que tiveram que me mostrar no mapa, e que ao conversar comigo me perguntam pelo Che, Allende, Chávez e Fidel. Como esperando que eu lhes conte histórias desses mitos, que dão por sentado que sei de memória. E aí ficam esperando como crianças que eu lhes conte um conto.

Sigue leyendo

Ilka Oliva Corado – Il fascino del Che

Per chiudere questo Ottobre del cinquantesimo anniversario dell’assassinio del Che, mi sembra davvero adatto questo commento di Ilka Oliva Corado, guatemalteca, indocumentata, sopravvissuta alla traversata del deserto di Sonora, baby e dog sitter, donna delle pulizie ma anche pittrice, poetessa e blogger ormai nota non solo a Chicago dove vive clandestina, ma anche in molti altri paesi del mondo. Adattissimo perché per gli amici della Nostra America offre uno spaccato dal basso dell’ importanza della memoria dei miti e degli eroi e rafforza, sempre dal basso, l’aspirazione a quella Nuestra America sognata da José Martí e osteggiata dal potente vicino del Nord.

Alessandra Riccio


Il fascino del Che

Tradotto da Alessandra Riccio, Nostramerica

Gli Stati Uniti sono un paese con una diversità di culture impressionante. Alla fermata di un semaforo, in attesa di attraversare la strada, ci possono stare cinquanta persone, tutte di un paese diverso e tutte con la loro storia, il loro passato, le loro radici. Altrettanto varia la quantità di religioni e di pensieri politici. In un salotto, in un ristorante, in un semplice supermercato o in un parco si possono trovare una quantità di culture e di idiomi impossibili da identificare.

Sigue leyendo

Perché avanza il neoliberismo in America Latina?

Tradotto da Monica Manicardi

Dal gene naturale di autodistruzione che abbiamo come umanità. Questo proprio ego, l’egoismo come la chiama la psicologia; accaparrare tutto il possibile senza importare che l’altro rimanga senza nulla.

Partendo da questo gene possiamo scomporre i diversi aspetti che ci portano a tentare di analizzare il comportamento collettivo delle nostre società davanti alla politica neoliberale che ci trascina.

Sigue leyendo

Pilsen Days: el encuentro de dos mundos

Son las 6:30 de la tarde del día sábado 28 de octubre, en Chicago en la época del frío la noche llega pronto, en la oscurana del crepúsculo busco estacionamiento en la 18th Street en Pilsen, corazón del barrio mexicano, y comienzo a caminar sobre la avenida buscando La Catrina Café, lugar donde se lleva a cabo la exposición Pilsen Days.

Ir a Pilsen es como regresar al corazón del arrabal donde crecí, los arrabales comparten el mismo ADN, no importa en qué lugar del mundo estén, el tejido social es el mismo. Después de caminar unas cuantas cuadras sobre las calles alfombradas de hojas ocres que sopla el viento y observando la personalidad del lugar, que es muy singular, me encuentro con la puerta de entrada a La Catrina Café, antes de abrir me asomo por la ventana y contemplo la atmósfera, entre bohemia y tertulia con carácter de guateque callejero en arrabal.

Sigue leyendo

El encanto del Che

Estados Unidos es un país con una diversidad de culturas, impresionante. En la parada de un semáforo, esperando cruzar la avenida, puede haber cincuenta personas y todas son de distinto país y todas tienen una historia, un pasado, una raíz. La cantidad de religiones y pensamiento político es también así de variada. En una reunión social, en un restaurante, en un simple supermercado o en el parque se puede encontrar una variedad de culturas e idiomas que es imposible identificar.

Y me he encontrado con personas de países que yo no sabía que existían y que me han tenido que enseñar en el mapa, que al entablar conversación conmigo me preguntan por el Che, Allende, Chávez y Fidel. Como esperando a que yo les cuente historias de esos mitos, que dan por sentado que me sé de memoria. Y ahí están como niños esperando a que les cuenten un cuento.

Sigue leyendo

Por que o neoliberalismo avança pela América Latina?

Tradução do Eduardo Vasco,  Diário Liberdade  

Pelo gene natural de autodestruição que temos como humanidade. Esse ego próprio, o egoísmo, ou seja, ganhar todo o possível sem se importar que o outro fique sem nada.

 A partir desse gene, podemos dividir os diferentes aspectos que nos levam a tentar analisar o comportamento coletivo de nossas sociedades antes da política neoliberal que nos arrasa.

Neoliberalismo que sempre esteve presente porque é patriarcal e somos sociedades patriarcais, portanto, os resultados são de domínio, ódio, roubo e manipulação. O patriarcado não é apenas misógino, também é racista e elegante, terrivelmente homofóbico. O patriarcado foi a imposição da mente colonizada generacionalmente; por mais de 500 anos, um mal que se tornou genética de nossa América manchada e graças a essa idiotização em massa, os resultados são angustiantes para as pessoas e miseráveis para os bandidos.

Um neoliberalismo que, em nome da fé e das religiões, nos divide entre santos e demônios. Todo mundo que é diferente e se atreve a pensar por si mesmo é malicioso e deve ser punido por sua insolência; o castigo é tirar os direitos, excluí-lo e desaparecer se a sua existência venha a provocar piores nos planos de saque que as mafiosas oligárquicas tenham. Como resultado, as ditaduras no continente e milhares de mortos e desaparecidos.

Os santos são aqueles que acompanham a corrente, que, por causa da preguiça ou do conforto, não se atrevem a pensar ou a questionar em voz alta um sistema que os foda também, porque os robotiza, os cobra de mil maneiras, em uma espécie de violência naturalizada porque é sistemática. Um tipo de violência que é constantemente renovada porque é estratégica e busca manter as massas adormecidas, é por isso que a existência do consumismo, das religiões, da poralização dos meios corporativos, do sistema educacional.

O neoliberalismo avança no continente porque somos sociedades insensíveis, desumanizadas, hipócritas, desleais. Sociedades que preferem dormir o sonho eterno de viver de aparências em vez de despertar e ser forçado a agir; porque a atuação exige responsabilidade e quem quer ser responsável em uma era de exploração coletiva?

A responsabilidade disso é daqueles que sabem, que com a capacidade de analisar, questionar, organizar, preferem dormir a mona, porque beneficia que o sistema exclua alguns e recompensa outros por sobreposição. Você não pode se esconder na ignorância quando se beneficia com o silêncio. Aumentar a voz é uma responsabilidade humana, individual e coletiva.

Devemos estar despertando rios, fogueiras, mares em tempestade. Devemos ser semente, eco de montanhas, aldeias de pessoas honradas, devemos ser a chuva que cresce a milpa, o fertilizante. O peal constante da Memória Histórica, deixa de ser repelido como base e adobe. Devemos ser a lava do vulcão quando o inimigo ataca e tem o frescor da flor selvagem quando se tenta abraçar a causa da restauração da América Latina original.

Quem está disposto a viver essa metamorfose?

Se você pretende compartilhar esse texto em outro portal ou rede social, por favor mantenha a fonte de informação URL:  https://cronicasdeunainquilina.com/2017/10/29/por-que-o-neoliberalismo-avanca-pela-america-latina/

Ilka Oliva Corado @ilkaolivacorado contacto@cronicasdeunainquilina.com