O germe do fascismo

Tradução do Eduardo Vasco, Diário Liberdade Como um mal hereditário nas novas gerações se reproduz com facilidade porque são gerações desvalidas, deixadas à interpérie, carcomidas que, como bagaços, são lançadas às urnas, às ruas, à vida. Infestadas desse gene que acaba com o cérebro em um piscar de olhos, essas gerações não conhecem as primaveras, viveram hibernando em quartos escuros desde sempre, não conhecem o calor do sol nem a alegria do canto das aves, são incapazes de sentir algo que esteja fora da margem de seu radar de fascistas. Inclusive não sabem o que são, porque carecem de raciocínio.…

Continuar leyendo…

O germe do fascismo

Tradução do Revista Diálogos do Sul  Como um mal hereditário, nas novas gerações se reproduz com facilidade porque são gerações desvalidas, abandonadas à intempérie, carcomidas. Infestadas desse gene que acaba com o cérebro em um piscar de olhos, estas gerações não sabem de primaveras, têm vivido invernando em quartos escuros desde sempre, não conhecem o calor do sol nem a alegria do trinado das aves, são incapazes de sentir algo que esteja fora da margem de seu radar de fascistas. Inclusive não sabem que o são, porque carecem de raciocínio.  Estas gerações são como pacotes empilhados que carregam e descarregam em…

Continuar leyendo…

Os olhares perdidos nos vazios do tempo e do esquecimento provenientes do Norte migrante

Tradução do Revista Diálogos do Sul  Com um nó na garganta, penso nas milhares de crianças que também crescerão na miséria e na exploração e que em suas vidas rotas também se converterão em homens adultos, com olhares perdidos nos vazios do tempo e do esquecimento. Estou no supermercado e vou para os balcões de frutas buscando abacaxi. No balcão da frente onde estão as laranjas e limas, está um homem mexicano colocando fruta fresca; tem o olhar vazio e as mãos cansadas, como a maioria dos indocumentados. Pego dois abacaxis e uma dúzia de bananas e volto o olhar para…

Continuar leyendo…

Mariela Castañón: “Sigo acreditando no jornalismo humano”

Tradução do Eduardo Vasco, Diário Liberdade Mariela Castañón é uma jornalista comprometida com a infância e juventude do subúrbio, uma das poucas que na Guatemala sentem e fazem seu o compromisso de denunciar o abuso sistemático que sofrem. Dá voz a essas pessoas invisíveis para os direitos humanos mas perfeitamente visíveis para o abuso. Tive a oportunidade de realizar uma breve entrevista em torno do tema do Hogar Seguro [centro de “acolhimento” para jovens em situação vulnerável, nos arredores da Cidade da Guatemala, onde houve um incêndio em 8 de março de 2017 (NT)] e sua investigação nas denúncias de…

Continuar leyendo…

Por que é tão necessário construir uma memória histórica latino-americana?

Tradução do Revista Diálogos do Sul  Por que é tão necessário construir uma memória histórica latino-americana? Porque é necessário que o “Nunca Mais” se enraíze na identidade do povo latino-americano, porque é urgente que a impunidade dê passagem à justiça, porque é imprescindível resgatar a memória histórica da omissão dos governos direitistas, porque é urgente que se torne verdade em um povo amnésico.   Porque uma sociedade sem memória é um povo à deriva. Um país que desconhece seu passado e ao qual ensinaram a renegá-lo é um povo manipulado que obedece sem reclamar o mandato dos traidores. Porque não é…

Continuar leyendo…

Quem se importa com migrantes? Mortos em vida, eles migram para morrer mil vezes mais

Tradução do Revista Diálogos do Sul  Os sinais mais visíveis das ditaduras impostas pelos Estados Unidos na América Latina podem ser vistos todos os dias nos milhares de migrantes que são obrigados a sair de seus países de origem para buscar salvar suas vidas e conseguir teto e comida nos Estados Unidos, que é apresentado pelos especialistas como a Meca, como água que mata a sede, como a terra de sonho onde todos os desejos se tornam realidade. Uma América Latina empobrecida pelos governos neoliberais pós-ditaduras, formados por turbas de corruptos e saqueadores. Eles que criaram quadrilhas de narcotráfico e tráfico…

Continuar leyendo…

Migrar mortos em vida para morrer mil vezes mais

Tradução do Eduardo Vasco, Diário Liberdade Os traços mais visíveis das ditaduras impostas pelos Estados Unidos na América Latina podem ser vistos todos os dias nos milhares de migrantes que são forçados a deixar seus países de origem para tentar salvar suas vidas e obter abrigo e comida nos Estados Unidos. ; que é apresentado por especialistas em mentiras como a Meca, como a água que mata a sede, como a terra onde todos os sonhos se tornam realidade. Uma América Latina empobrecida pelos governos neoliberais depois de ditaduras compostas de multidões de corruptos e saqueadores; que criaram gangues de…

Continuar leyendo…

Busco somente aproximar o leitor dos meus libros

Tradução do Eduardo Vasco, Diário Liberdade  Por Mariela Castañón, diario La Hora    A escritora guatemalteca Ilka Oliva, que atualmente reside em Chicago, anunciou seu novo projeto: uma “editora artesanal”, que consiste na edição e colagem de seus próprios livros, usando recursos básicos, com o único propósito de aproximar os leitores de seus livros.   Ilka, uma mulher empreendedora, também abre espaço para outros autores, aos quais foi negada a publicação de seus textos. Em entrevista ao jornal La Hora Voz del Migrante, ela explica detalhes de seu projeto.   LH Voz del Migrante: O que é a editorial Ilka?…

Continuar leyendo…

Dos campos às cabines de TV: as meninas também jogam (e entendem de) futebol

Tradução do Revista Diálogos do Sul  Cheguei aos “campos do lago”, assim são chamados os campos de futebol que estão em frente à praia da Rua Montrose, e minha grande surpresa foi ver times mistos de meninas e meninos; não pude conter o pranto pela emoção, aquele instante para mim foi catártico. Na minha infância, tinha crescido brigando com moleques, desafiando-os com socos para lutar por meu lugar no campo. Diziam-me que o futebol não era coisa de meninas, que fosse brincar com bonecas e lavar pratos. Eu em resposta os desafiava e dizia que iam ver que eu não estava…

Continuar leyendo…

Uma primavera de milhões de Lulas

Tradução do Eduardo Vasco, Diário Liberdade  Em 1958 foi descoberta, quase por acaso e em sua própria casa, a cronista e poeta da favela, Carolina Maria de Jesus, que se encarregou de retratar seu dia a dia em seu diário: a vida nas favelas do Brasil. Uma realidade crua, de miséria, de abuso, de exclusão, e uma realidade também de sonhos, de lealdade e de amor puro. Muito pouco conhecida na América Latina, Carolina Maria de Jesus traduziu em suas letras a essência dos subúrbios brasileiros, os mesmos que em fervente amor têm saído às ruas para defender um operário…

Continuar leyendo…

Na América Latina, floresce uma primavera de milhões de Lulas

Tradução do Revista Diálogos do Sul    “Lula se encontra nas veias dos párias, veias que fazem da América Latina um imenso rio amazônico que nutre povos inteiros, povos que vêm caminhando, descalços, dançando com batucadas, em busca da verdejante primavera que os espera com a beleza das flores em botão”. Por volta de 1958 foi descoberta, quase por acaso e em seu próprio habitat, a cronista e poeta da favela, Carolina Maria de Jesus, que se encarregou de retratar em seu diário seu dia a dia, a vida nas favelas do Brasil. Uma realidade crua, de miséria, de abuso, de exclusão e uma…

Continuar leyendo…