Por que é tão necessário construir uma memória histórica latino-americana?

Tradução do Revista Diálogos do Sul  Por que é tão necessário construir uma memória histórica latino-americana? Porque é necessário que o “Nunca Mais” se enraíze na identidade do povo latino-americano, porque é urgente que a impunidade dê passagem à justiça, porque é imprescindível resgatar a memória histórica da omissão dos governos direitistas, porque é urgente que se torne verdade em um povo amnésico.   Porque uma sociedade sem memória é um povo à deriva. Um país que desconhece seu passado e ao qual ensinaram a renegá-lo é um povo manipulado que obedece sem reclamar o mandato dos traidores. Porque não é…

Continuar leyendo…

Quem se importa com migrantes? Mortos em vida, eles migram para morrer mil vezes mais

Tradução do Revista Diálogos do Sul  Os sinais mais visíveis das ditaduras impostas pelos Estados Unidos na América Latina podem ser vistos todos os dias nos milhares de migrantes que são obrigados a sair de seus países de origem para buscar salvar suas vidas e conseguir teto e comida nos Estados Unidos, que é apresentado pelos especialistas como a Meca, como água que mata a sede, como a terra de sonho onde todos os desejos se tornam realidade. Uma América Latina empobrecida pelos governos neoliberais pós-ditaduras, formados por turbas de corruptos e saqueadores. Eles que criaram quadrilhas de narcotráfico e tráfico…

Continuar leyendo…

O suplício de ser haitiano ou descendente de haitianos na República Dominicana

Tradução do Eduardo Vasco, Diário Liberdade   Dois países irmãos, afrodescendentes com uma mistura da imensa quantidade de escravos trazidos pelos reinos da França, Espanha e dos corsários holandeses e anglos por cinco séculos. Dois países que compartilham uma ilha no meio do mar, com o mesmo tecido social e com a diferença mínima da língua: na República Dominicana fala-se o espanhol e no Haiti o crioulo.   Ambos os países empobrecidos, invadidos, agredidos e dominados por máfias que tomaram os governos durante décadas. Oligarquias que reproduzem ódio, racismo e exclusão em sua conveniência. Que escravizam e expulsam.   Não…

Continuar leyendo…

Migrar mortos em vida para morrer mil vezes mais

Tradução do Eduardo Vasco, Diário Liberdade Os traços mais visíveis das ditaduras impostas pelos Estados Unidos na América Latina podem ser vistos todos os dias nos milhares de migrantes que são forçados a deixar seus países de origem para tentar salvar suas vidas e obter abrigo e comida nos Estados Unidos. ; que é apresentado por especialistas em mentiras como a Meca, como a água que mata a sede, como a terra onde todos os sonhos se tornam realidade. Uma América Latina empobrecida pelos governos neoliberais depois de ditaduras compostas de multidões de corruptos e saqueadores; que criaram gangues de…

Continuar leyendo…

Venezuela: a grande lição

Tradução do Eduardo Vasco, Diário Liberdade Apoiando Maduro, o povo venezuelano segue fiel ao sonho libertador do Niño Arañero [como é apelidado Hugo Chávez, NT]. Não adiantaram de nada os milhões de dólares que gastaram os intervencionistas e as oligarquias latino-americanas em propaganda e midiatização, tentando desacreditar a inteligência natural, a dignidade e a Memória Histórica do povo venezuelano que não se deixa enganar com as artimanhas dos conspiradores. Eles, mais que ninguém, sabem que um voto mal dado pode levá-los de volta ao retrocesso, como ocorreu com a maioria dos países latino-americanos nos que o voto foi manipulado: com…

Continuar leyendo…

O que o patriarcado deve a Evita Perón

Tradução do Revista Diálogos do Sul  A história tem sido ultrajada desde a idade da humanidade por seres patriarcais, misóginos, homofóbicos, racistas, classistas, xenofóbicos, e no caso particular da América Latina, seres de mentes colonizadas têm se encarregado de invisibilizar mulheres como Evita, que nunca aceitaram o jugo patriarcal e jamais dormiram sob o ronrom das delícias do poder e que, pelo contrário, foram suas maiores críticas. Evita é a poesia da rebelião dos povos. O patriarcado que carece de ideologia a coloca na história como um ser passional, jamais a viu como um ser intelectual com um raciocínio de poucos e…

Continuar leyendo…

O que o patriarcado deve a Evita

Tradução do Eduardo Vasco, Diário Liberdade  A história que tem sido ultrajada desde o início da humanidade por seres patriarcais, misóginos, homofóbicos, racistas, classistas, xenófobos e, no caso particular da América Latina, seres de mente colonizada se encarregaram de invisibilizar mulheres como Evita, que nunca se ajoelharam ao jugo patriarcal e que nunca dormiram no esbanjamento dos méis do poder, mas pelo contrário: foram suas maiores críticas. Evita é a poesia da rebelião dos povos. O patriarcado que carece de ideologia coloca-a na história como um ser apaixonado, nunca o viu como um ser intelectual com um raciocínio de poucos…

Continuar leyendo…

Busco somente aproximar o leitor dos meus libros

Tradução do Eduardo Vasco, Diário Liberdade  Por Mariela Castañón, diario La Hora    A escritora guatemalteca Ilka Oliva, que atualmente reside em Chicago, anunciou seu novo projeto: uma “editora artesanal”, que consiste na edição e colagem de seus próprios livros, usando recursos básicos, com o único propósito de aproximar os leitores de seus livros.   Ilka, uma mulher empreendedora, também abre espaço para outros autores, aos quais foi negada a publicação de seus textos. Em entrevista ao jornal La Hora Voz del Migrante, ela explica detalhes de seu projeto.   LH Voz del Migrante: O que é a editorial Ilka?…

Continuar leyendo…

Dos campos às cabines de TV: as meninas também jogam (e entendem de) futebol

Tradução do Revista Diálogos do Sul  Cheguei aos “campos do lago”, assim são chamados os campos de futebol que estão em frente à praia da Rua Montrose, e minha grande surpresa foi ver times mistos de meninas e meninos; não pude conter o pranto pela emoção, aquele instante para mim foi catártico. Na minha infância, tinha crescido brigando com moleques, desafiando-os com socos para lutar por meu lugar no campo. Diziam-me que o futebol não era coisa de meninas, que fosse brincar com bonecas e lavar pratos. Eu em resposta os desafiava e dizia que iam ver que eu não estava…

Continuar leyendo…

Uma primavera de milhões de Lulas

Tradução do Eduardo Vasco, Diário Liberdade  Em 1958 foi descoberta, quase por acaso e em sua própria casa, a cronista e poeta da favela, Carolina Maria de Jesus, que se encarregou de retratar seu dia a dia em seu diário: a vida nas favelas do Brasil. Uma realidade crua, de miséria, de abuso, de exclusão, e uma realidade também de sonhos, de lealdade e de amor puro. Muito pouco conhecida na América Latina, Carolina Maria de Jesus traduziu em suas letras a essência dos subúrbios brasileiros, os mesmos que em fervente amor têm saído às ruas para defender um operário…

Continuar leyendo…

Na América Latina, floresce uma primavera de milhões de Lulas

Tradução do Revista Diálogos do Sul    “Lula se encontra nas veias dos párias, veias que fazem da América Latina um imenso rio amazônico que nutre povos inteiros, povos que vêm caminhando, descalços, dançando com batucadas, em busca da verdejante primavera que os espera com a beleza das flores em botão”. Por volta de 1958 foi descoberta, quase por acaso e em seu próprio habitat, a cronista e poeta da favela, Carolina Maria de Jesus, que se encarregou de retratar em seu diário seu dia a dia, a vida nas favelas do Brasil. Uma realidade crua, de miséria, de abuso, de exclusão e uma…

Continuar leyendo…