O abandono do sul de Chicago

Tradução do Eduardo Vasco, Diário Liberdade 
O sul de Chicago é a decadência, é uma grande cidade que desmorona, ruas deterioradas, edifícios prestes a colapsar nas cabeças dos inquilinos que, na sua maioria, são afrodescendentes e latino-americanos indocumentados: mexicanos e centro-americanos. Mal pagos, explorados em seus empregos, estigmatizados e constantemente assediados pela polícia.
O sul de Chicago parece um filme de ficção científica, daqueles futuristas que mostram o fim da humanidade. Muito parecido com a decadência das cidades fronteiriças entre o México e os Estados Unidos; onde o único que existe é balas, bares, sequestros e casas ou armazéns onde esconderam os migrantes que vão para os Estados Unidos. As nuvens de poeira que secam os lábios ao meio dia, no horário de verão e; No inverno são vendavais que congelam o sangue.

O sul de Chicago é a vergonha de um sistema que esquece e usa as mais populares das classes sociais, no sul de Chicago, não há cartões postais, documentários, filmes ou relatos de personagens de sucesso, como no norte. Não há filhos ilustres com estátuas. Não há jardins que se parecem com campos de futebol e até como mesas de bilhar. Não há portões com controle remoto, sem mansões com câmeras de segurança ou ruas limpas e pavimentadas. Não há parques imensos onde as crianças esquecidas e estigmatizadas pelo sistema e pela sociedade podem ser recriadas.
Ao sul de Chicago, há apenas relatos de zonas vermelhas, assaltos, mortes entre gangues, adolescentes violentos, mães solteiras, meninas que dormem com qualquer pessoa em troca de uma pílula sem dor, um cigarro de maconha, um toque de cocaína ou cola inalada. Meninas que são vistas como criminosas porque não frequentam a escola; porque elas têm que cuidar de seus irmãos, porque elas estão grávidas, porque estão envolvidas no trabalho sexual ou porque precisam trabalhar do nascer ao pôr-do-sol para levar seus filhos, irmãos ou avós para a frente.
Meninos que são rotuladas de assassinos porque andam pelas ruas sem qualquer direção, perdidas na história do tempo. Porque eles receberam tanto golpe do sistema que eles não se conhecem, eles não sabem quem são eles e são usados pelas gangues criminosas que correm do norte onde são “as casitas do distrito alto”. Meninos que perderam toda a esperança de um futuro diferente e depois de terem usado aqueles que os exploraram os colocaram na prisão, então eles não conseguem o caminho e continuam a recrutar crianças em crescimento. Cortando a borda com a infância e a adolescência para serem mutilados, feridos, paranóicos, prejudicados e adictos.
O sul de Chicago é a realidade do sul de cada estado americano. Mesmo postal, mesmo modo de operação: o sistema de capital viola constantemente os mais fracos e os extermina. Ele arranca sua alma, transforma-os em assassinos, drogodependentes e os estigmativas de avós a netos.
O sul de Chicago, no horário das eleições, torna-se uma batata quente, um tema constante nos debates: polícia, policia e reprimir, dizem os fascistas, independentemente do partido que sejam: são fascistas!
Não há conversas sobre escolas, parques, programas recreativos, reabilitações, hospitais, direitos trabalhistas, não há menção à dignificação.
No entanto, o sul de Chicago, como todas as partes do mundo, tem essa resistência inquebrável e essa dignidade de subúrbio que faz com que o coração, embora mortalmente ferido, continue batendo, bombeando sangue para todas as artérias, onde há crianças sonhando com um futuro diferente. Embora os edifícios onde eles dormem estão prestes a esmagá-los, as ruas onde andam estão cheias de agulhas de seringas e uso de preservativos. Embora as escolas não tenham a infra-estrutura e o material que lhes proporcionem melhores ferramentas. Embora os parques sejam campos de lama. Embora o estigma sempre os acompanhe. Mesmo que a polícia os persiga devido à sua cor ou a sua origem, porque eles não falam inglês ou porque não possuem documentos que os acreditem como residentes do país.
O sul de Chicago é a outra verdade do que o capitalismo realmente é. E cada estado do país tem seu sul, centenas de pontos de vista gritando para o mundo a realidade do capitalismo. E a realidade, também, da resistência dos marginalizados, mas nunca derrotados.
O sul de Chicago é a decadência, é uma grande cidade que desmorona, ruas deterioradas, edifícios prestes a colapsar nas cabeças dos inquilinos que, na sua maioria, são afrodescendentes e latino-americanos indocumentados: mexicanos e centro-americanos. Mal pagos, explorados em seus empregos, estigmatizados e constantemente assediados pela polícia.
O sul de Chicago parece um filme de ficção científica, daqueles futuristas que mostram o fim da humanidade. Muito parecido com a decadência das cidades fronteiriças entre o México e os Estados Unidos; onde o único que existe é balas, bares, sequestros e casas ou armazéns onde esconderam os migrantes que vão para os Estados Unidos. As nuvens de poeira que secam os lábios ao meio dia, no horário de verão e; No inverno são vendavais que congelam o sangue.
O sul de Chicago é a vergonha de um sistema que esquece e usa as mais populares das classes sociais, no sul de Chicago, não há cartões postais, documentários, filmes ou relatos de personagens de sucesso, como no norte. Não há filhos ilustres com estátuas. Não há jardins que se parecem com campos de futebol e até como mesas de bilhar. Não há portões com controle remoto, sem mansões com câmeras de segurança ou ruas limpas e pavimentadas. Não há parques imensos onde as crianças esquecidas e estigmatizadas pelo sistema e pela sociedade podem ser recriadas.
Ao sul de Chicago, há apenas relatos de zonas vermelhas, assaltos, mortes entre gangues, adolescentes violentos, mães solteiras, meninas que dormem com qualquer pessoa em troca de uma pílula sem dor, um cigarro de maconha, um toque de cocaína ou cola inalada. Meninas que são vistas como criminosas porque não frequentam a escola; porque elas têm que cuidar de seus irmãos, porque elas estão grávidas, porque estão envolvidas no trabalho sexual ou porque precisam trabalhar do nascer ao pôr-do-sol para levar seus filhos, irmãos ou avós para a frente.
Meninos que são rotuladas de assassinos porque andam pelas ruas sem qualquer direção, perdidas na história do tempo. Porque eles receberam tanto golpe do sistema que eles não se conhecem, eles não sabem quem são eles e são usados pelas gangues criminosas que correm do norte onde são “as casitas do distrito alto”. Meninos que perderam toda a esperança de um futuro diferente e depois de terem usado aqueles que os exploraram os colocaram na prisão, então eles não conseguem o caminho e continuam a recrutar crianças em crescimento. Cortando a borda com a infância e a adolescência para serem mutilados, feridos, paranóicos, prejudicados e adictos.
O sul de Chicago é a realidade do sul de cada estado americano. Mesmo postal, mesmo modo de operação: o sistema de capital viola constantemente os mais fracos e os extermina. Ele arranca sua alma, transforma-os em assassinos, drogodependentes e os estigmativas de avós a netos.
O sul de Chicago, no horário das eleições, torna-se uma batata quente, um tema constante nos debates: polícia, policia e reprimir, dizem os fascistas, independentemente do partido que sejam: são fascistas!
Não há conversas sobre escolas, parques, programas recreativos, reabilitações, hospitais, direitos trabalhistas, não há menção à dignificação.
No entanto, o sul de Chicago, como todas as partes do mundo, tem essa resistência inquebrável e essa dignidade de subúrbio que faz com que o coração, embora mortalmente ferido, continue batendo, bombeando sangue para todas as artérias, onde há crianças sonhando com um futuro diferente. Embora os edifícios onde eles dormem estão prestes a esmagá-los, as ruas onde andam estão cheias de agulhas de seringas e uso de preservativos. Embora as escolas não tenham a infra-estrutura e o material que lhes proporcionem melhores ferramentas. Embora os parques sejam campos de lama. Embora o estigma sempre os acompanhe. Mesmo que a polícia os persiga devido à sua cor ou a sua origem, porque eles não falam inglês ou porque não possuem documentos que os acreditem como residentes do país.
O sul de Chicago é a outra verdade do que o capitalismo realmente é. E cada estado do país tem seu sul, centenas de pontos de vista gritando para o mundo a realidade do capitalismo. E a realidade, também, da resistência dos marginalizados, mas nunca derrotados.
Se você pretende compartilhar esse texto em outro portal ou rede social, por favor mantenha a fonte de informação URL: https://cronicasdeunainquilina.wordpress.com/2018/02/12/o-abandono-do-sul-de-chicago/
Ilka Oliva Corado @ilkaolivacorado contacto@cronicasdeunainquilina.wordpress.com

Un comentario

  1. Pingback: O abandono do sul de Chicago | Crónicas de una Inquilina

Deja un comentario