O inverno como sossego e fortalecimento

Tradução do Eduardo Vasco, Diário Liberdade 
No inverno, o céu fica de cor cinza e as nuvens densas descem para perambular pelas ruas da grande cidade; uma neblina gelada que faz com que os transeuntes despejados lamentem aquela estação que eles chamam de mau tempo.
O humor diminui, os resfriados aumentam e a depressão se torna o sofrimento da estação. As pessoas muitas vezes são vistas amaldiçoando o vento frio, a neve acumulada, os dias cinzentos e os espessos flocos quando começa a nevar. Em sua raiva, eles são incapazes de desfrutar da magia que a natureza lhes dá: um espetáculo impressionante que deve encantar todos os que a testemunham.

Mas a beleza da neve, de seus tapetes de algodão nas estradas, as telas brancas nos campos abertos e o seu casaco para as árvores nuas nos parques e macios de flores, não conseguem surpreender a massa mal-humorada porque o sol escorregou e o calor. Com estas as festas ao ar livre, a roupa leve e a sufocação perene do estado de excitação que o sexo tem no verão.
Porque sim, o sexo é apreciado no verão: quando as peles suam com a umidade do calor, quando os olhos dizem o que os lábios não conseguem pronunciar, quando os amantes dançam animado com as batucadas que eles chamam para copular, quando com qualquer esfregando os corpos acendendo-se com paixão e convocando a onda de desejo, de modo que dois, três ou o que quer que ardem, no fogo da paixão.
Uma paixão que no inverno lentamente se torna calma: mais da alma, mais do espírito, mais subliminar. Seu charme é diferente: mais genuíno, mais generoso, instintivo e poucos têm o privilégio de apreciá-lo. É imperceptível para aqueles que são incapazes de contemplar na neve a majestade da essência da natureza, que é, portanto, a essência do ser humano, porque todos somos parte de um todo, estamos unidos.
A estação fria tem seus próprios quartos, acalmados com a diafanidade da alma. É um tempo de silêncio, internalizar e admirar em outras paisagens com diferentes estilos e formas, o privilégio de podermos desfrutar de uma temporada que constantemente nos diz que tudo muda na vida e que, com as mudanças que aprendemos, deixamos, escrevemos, apagamos e reescrevemos nossa história pessoal e coletiva.
Nós criamos, nos enganamos, ficamos desiludidos, nós confiamos e amamos de mil maneiras com mil nomes e nos construímos, polegadas por polegada como seres humanos inacabados, porque nossa natureza é como as temporadas do tempo: de transformações constantes. Essas mudanças ou mudanças são o que nos da nossa essência e força e nos permitem avançar como nas estações do tempo: depois do inverno vem a primavera com suas flores de cerejeira no botão para dar lugar ao vergonha do verão e, em seguida, a cor do outono para retornar para a serenidade do inverno.
Em nós, essas mudanças são para resolver nossos sonhos e dar-lhes raízes e asas: individual e coletivamente. E quando chega o inverno ou instantes da escuridão em nossas vidas, aprenda com elas, aprenda a viver com elas, porque elas nos fortalecerão para resistir ao embaraço ou à beleza do verão. Sem esquecer que tudo o que nos rodeia tem a forma e a força que queremos dar.
Cada inverno será, então, o que queremos fazer com ele, metafóricamente. Para mim é a minha estação favorita, adoro a neve.
Se você pretende compartilhar esse texto em outro portal ou rede social, por favor mantenha a fonte de informação URL:  https://cronicasdeunainquilina.wordpress.com/2018/01/12/o-inverno-como-sossego-e-fortalecimento/
Ilka Oliva Corado @ilkaolivacorado contacto@cronicasdeunainquilina.wordpress.com

Deja un comentario