A resistência dos açafrões

Tradução do Eduardo Vasco, Diário Liberdade 
Eles pensam que não tem mais falta, que conseguiram pulverizar os anseios e que eles rasparam as raízes dos açafrados do campo. Eles pensam que deixaram as árvores sem cascas, sem forças, em terras corroídas. Eles acreditam que tudo é uma avalanche. Mas todo cipreste selvagem, nascido nas rochas, mostra o contrário. Eles pensam que eles silenciaram a música do goldfinch, mas os rebanhos que atravessam o horizonte mostram que existem trinos impossíveis de matar e que há belezas e liberdades deslumbrantes que nenhum ódio pode obscurecer.

Eles pensam que conseguiram cercar as tempestades de vento, dobrar a força dos mares, que eles compraram a essência das tempestades por meio centavo, assim como as compraram. Porém; a brisa de água salgada que acaricia a costa, mostra-lhes que não há dinheiro que possa comprar a imensidão do mar.
Eles pensam que as cadeias de montanhas de mil anos da América de folhas verdes são arranha-céus concretos e presunção. Como as casas onde vivem, construídas com o suor e a dignidade do trabalhador. Comprou com a deslealdade e a traição daquele que foi vendido.
Que eles acreditam. Eles acreditam que tudo é vendido e tudo é comprado, como eles foram comprados deles. Eles acreditam que eles têm o poder de mudar a natureza do amor. Que eles conseguiram derrotá-lo, murchar e com isso para nos derrotar. Porque apenas aqueles que amam são invencíveis. Porque somente aqueles que sentem, amam, sonham e se entregam, se entregam à vida que é o estoque de povos. As cidades que são o frescor da América Latina original.
Eles pensam que eles conseguiram nos fazer esquecer, que eles apagaram nossa memória, que, como eles, vamos nos vender. Eles pensam que, como eles, nos tornaremos traidores, iremos a leilão e, também, apunhalaremos pelas costas com a deslealdade dos lacaios. Como eles.
Eles pensam que nos cansaremos de lutar e que nos viraremos as costas e que nossos gritos se tornarão murmúrios e que eles se acalmarão, se sobrepõem em silencio com traição e aproveitarão o defeito dos ingratos. E que seremos como eles: perversos e cúmplices.
Eles pensam que vamos terminar a rebelião, que faremos chinchilete ou que vamos deixá-lo deitado em qualquer elevador de arranha-céus, ou pior ainda que nós vamos criptografá-lo em algum seguro do banco de corruptos. Eles acreditam que vamos cuspir os rostos de nossos antepassados e que os nomes de nossos heróis e heroínas vão rolar na avalanche, em direção ao abismo, enterrando-os para sempre. Os despistando. Eles acreditam nisso. Eles querem isso.
Eles acreditam que nossa fogueira se extinguirá, como chamas de tussa, mas é a lava de um vulcão em erupção. Eles acreditam que nos empurram para um abismo onde vamos rodar para a morte, eles não sabem que somos feitos de barrancos e recifes. De lama de bajareque e adubo, que somos terra, Pachamama. Que somos feitos de raízes de conacaste e cacau-mãe. Que nosso canal é o eco da canção dos pintassilgos rompendo o silêncio nas cordilheiras da América milenar, que se recusa a renunciar a sua essência original e autônoma.
Eles acreditam que eles nos derrotaram: esfolando-nos, torturando-nos, intimidando-nos, nos aprisionando, nos desaparecendo, nos assassinando; mas ainda não conhecem a resistência dos açafrões que embelezam os campos abertos, que nenhum traidor jamais poderá secar.
Se você pretende compartilhar esse texto em outro portal ou rede social, por favor mantenha a fonte de informação URL: https://cronicasdeunainquilina.wordpress.com/2018/02/17/a-resistencia-dos-acafroes/
Ilka Oliva Corado @ilkaolivacorado contacto@cronicasdeunainquilina.wordpress.com

Deja un comentario