As migrantes em trânsito

Tradução do Diário Liberdade  Saem de suas casas: em aldeias, povoados, rincões, fazendas, arrabaldes… sem rumo fixo, como folhas secas arrastadas pelo vento, mortas em vida, caluniadas, golpeadas, abusadas, rechaçadas e estigmatizadas.  Pouco se sabe delas; as invisibilizam, o Estado as marginaliza, as marginaliza a sociedade, o classismo, o racismo e as macula o patriarcado. Seu país as obriga ao abandono e à migração.

Continuar leyendo…

Saúde ao meu pai: De filhas e pais

Tradução do Revista Diálogos do Sul A última vez que eu o vi, me disse meu paizinho: “Preta, eu vou morrer”. Fria e direta como é natural em mim, eu respondi sem sentir pena: “paizinho, não fique chateado, todos nós vamos morrer”. Quase um mês depois ele faleceu, a notícia nos chegou de longe, na diáspora, a milhares de quilômetros da Guatemala, há apenas cinco dias. Eu sou a filha que desde a adolescência menos o abraçou e menos o acariciou, sou a filha mais ferida, a única ardentemente. No entanto, de suas 4 crias sou a que mais o desfrutou…

Continuar leyendo…

Tatoj 

Tradução do Diário Liberdade A última vez que o vi, me disse meu Tatoj*: “Negro, vou morrer”; fria e direta, como é minha natureza, o respondi sem piedade: “Tatoj, não se preocupe, todos vamos morrer.” Cerca de um mês depois dessa conversa, faleceu meu Tatoj. Recebemos a notícia de bem longe, na diáspora, a milhares de quilômetros da Guatemala, há apenas cinco dias. Sou a filha que desde a adolescência o abraçou e menos o acariciou, sou a filha mais ferida, a única veemente. No entanto, de suas quatro crias, soua que mais o disfrutou e sucedeu em meus primeiros…

Continuar leyendo…

A força da tempestade

Sígueme en https://telegram.me/cronicasdeunainquilina Tradução do Diário Liberdade Crescemos com o caminho marcado, pelos estereótipos, os costumes, a cultura, a religião e o sistema patriarcal que prejudica a todos nós. Pré-concepções que nos dizem que se deve fazer isso e não aquilo. Isso está mal, pelo que dirão, por nosso gênero, aparência física, ideologia, cor da pele, idade, condição social, nacionalidade e etnia.

Continuar leyendo…

Pouco nos resta de humanidade

Sígueme en https://telegram.me/cronicasdeunainquilina Tradução do Diário Liberdade Pouco nos resta de humanidade, se é que em algum momento a tivemos. Um planeta insalvável nos grita pedindo auxílio, nos fazemos de desentendidos e deitamos a dormir de barriga para cima, enquanto em todo o nosso redor vai se extinguindo diante de nossa indiferença de medíocres egocêntricos. Somos a deterioração de uma espécie destrutiva, egoísta, oportunista e jactanciosa. Somos o pior dos males. Cada dia amanhecemos com mais espécies em perigo de extinção, com a fauna e a flora em agonia, com as selvas tropicais a ponto de ser desertos. Com as…

Continuar leyendo…

A farsa do dia de Ação de Graça

Sígueme en https://telegram.me/cronicasdeunainquilina Para leer el texto en español, aquí.  Tradução do Revista Diálogos do Sul, Brasil  Não há nada mais falso, mais ruim, mais soberbo nos Estados Unidos que celebrar o Dia de Ação de Graça. É a celebração mais importante depois do 4 de julho, a terceira é o Natal.  Amparados numa história falsa, escrita pelos genocidas que invadiram este país e exterminaram os nativos do norte do continente, celebra-se a cada novembro o Dia da Ação de Graça. Peregrinos, dizem os livros de texto, peregrinos imigrantes que foram acolhidos pelos nativos. Não contam que se impuseram pela…

Continuar leyendo…

Sem Pedigree

Sígueme en https://telegram.me/cronicasdeunainquilina Tradução de Raphael Sanz Cresci entre lamaçais, poeira e lâminas oxidadas. Minha infância foi um poema ferido e incrivelmente belo. Cresci no coração de um esgoto marginalizado que tinha um idílio com a aldeia e o zacatal. Rodei entre barrancos e trepei árvores frutíferas, corri entre plantações de milho e hortaliças e também caminhei no longo bulevar de meu grande amor, em tantíssimos amanheceres.

Continuar leyendo…

América Latina, terra de feminicidas

Sígueme en https://telegram.me/cronicasdeunainquilina Tradução de Raphael Sanz A violência emocional e física que vivemos enquanto mulheres é o pão nosso de todos os dias na América Latina. Todos os dias nos acossam, nos insultam, nos golpeiam, sofremos violações sexuais, nos torturam, nos mutilam e nos deixam jogadas em sargetas e terrenos baldios, como desperdícios em latas de lixo. Nos desaparecem em fossas clandestinas. Todos os dias nós, mulheres latino americanas, enfrentamos o medo e temos que vencê-lo para sair das nossas casas e ir estudar e trabalhar. E pensar que está latente que este seja o último dia que vejamos…

Continuar leyendo…

Chile em nosso coração latino-americano

Tradução de  Revista Diálogos do Sul, Brasil.  Para honrar os caídos não podemos olvidar, a Memória Histórica habita em nossa identidade. Há uma parte da história que se esqueceram de relatar, nos ocultaram a verdade, nos querem dominar. Para que não se repita temos que nos informar. O Chile foi traído e não pela classe popular. Não pelas confusões nem pela originalidade. Não por seu povo honrado, mas sim pelos tiranos que preferiram desertar.

Continuar leyendo…

Nosso falso escrúpulo

 https://telegram.me/cronicasdeunainquilina Tradução de Raphael Sanz Me pergunto qual é o limite da nossa forma dúbia de ver o mundo, e da indolência que nos carcome. Até onde chegará nossa massagem de ego? A Guatemala terá solução? Me pergunto constantemente e muitas vezes com a moral no chão. Em que momento a desonramos desta forma? Penso na minha terra e me dói a medula, como há de doer a muitos que também a amam. A terra de onde fomos embora de corpo, mas jamais de alma e que na distância fez nossas feridas gangrenarem, onde ficaram aqueles avatares do cotidiano na…

Continuar leyendo…