Nosso falso escrúpulo

 https://telegram.me/cronicasdeunainquilina Tradução de Raphael Sanz Me pergunto qual é o limite da nossa forma dúbia de ver o mundo, e da indolência que nos carcome. Até onde chegará nossa massagem de ego? A Guatemala terá solução? Me pergunto constantemente e muitas vezes com a moral no chão. Em que momento a desonramos desta forma? Penso na minha terra e me dói a medula, como há de doer a muitos que também a amam. A terra de onde fomos embora de corpo, mas jamais de alma e que na distância fez nossas feridas gangrenarem, onde ficaram aqueles avatares do cotidiano na…

Continuar leyendo…

Paz firme e duradoura na Colômbia?

Tradução de Raphael Sanz Como guatemalteca vivi a Assinatura da Paz Firme e Duradoura no meu país e vi o retrocesso dos Acordos de Paz nestes 19 anos. Me pergunto: Os responsáveis realmente se comprometerão com o processo de paz? Porque a paz é um todo em um contexto sociopolítico e sociocultural. O que é que oferecem os implicados neste novo processo de reconciliação? Quem são os que realmente estão comprometidos com este novo amanhecer? Que papel fazem os meios de comunicação em tudo isso? A partir da Assinatura da Paz deixarão de desinformar, manipular e favorecer a impunidade?

Continuar leyendo…

O eterno racismo na terra da Ku Klux Klan

Tradução de Raphael Sanz Surge a pergunta urgente: o que faz Obama falando de direitos humanos na Venezuela e assinando ações executivas intervencionistas, quando em seu país a polícia caucasiana assassina afro descendentes todos os dias em crimes de ódio racial? Partindo daí é impossível falar em democracia no país, uma falácia a mais entre tantas que esse sistema intervencionista inventou, já que não se ocupa de sua política interna.

Continuar leyendo…

A burla de Obama aos indocumentados

Tradução de Raphael Sanz Em sua visita a Cuba, Obama teve o descaro de dizer para Raúl Castro, em sua própria casa, que a diáspora cubana sofria o mal da saudade. Com isto tentou culpar a Revolução Cubana pela migração e não mencionou a Lei de Ajuste Cubano com a qual os Estados Unidos dá seus golpes baixos em Cuba para tentar fazer sumir toda a beleza daquele poema revolucionário. Em outro lugar bem distante de Cuba está a migração latino americana, em específico a do triângulo norte da América Central e a mexicana, onde milhares se vêm obrigados a…

Continuar leyendo…

Não é a Venezuela, é o México

Tradução de Raphael Sanz O México está sendo sequestrado, massacrado e desaparecido, nada mais e nada menos, pelo governo de Peña Nieto. A pergunta urgente que muito nos fazemos é: o que está esperando Almagro e a OEA para aplicar a Peña Nieto a Carta Democrática? Por acaso o governo não está violando direitos humanos dos cidadãos mexicanos? Por acaso não incita e exerce a violência de seu braço armado? Por acaso o governo de Peña Nieto não está sequestrando, torturando e massacrando cidadãos? Não está saqueando o país? Por acaso não reprime manifestações sociais? Por acaso não é um…

Continuar leyendo…

Hillary Clinton, intervencionista na América Latina

Tradução de Raphael Sanz É agora que Hillary Clinton está vendo os frutos da decisão de haver se divorciado de seu esposo que cometeu a baixeza da qual os meios de comunicação e o patriarcado qualificaram como brincadeira ou aventura. Os mesmos meios de comunicação e o mesmo patriarcado que lapidaram a jovem envolvida; quando o casado, aquele que tem uma família e que prometeu fidelidade, ele que falhou. “É o presidente dos Estados Unidos, é permitido”, e com isto lavaram-se as mãos. Hillary Clinton com esta decisão de moral contraditória e submissa diante do patriarcado enviou uma mensagem equivocada…

Continuar leyendo…

Hillary Clinton intervencionista na América Latina

Tradução de Revista Diálogos do Sul (Brasil) É agora que Hillary Clinton está colhendo os frutos de sua decisão de não ter divorciado quando seu marido cometeu a baixeza a que os meios e o patriarcado qualificaram como “um desvio sem importância”. Os mesmos meios e o mesmo patriarcado que apedrejaram à jovem envolvida e a vitimaram, quando o que tinha uma família, que prometera fidelidade e que falhou foi ele. “É o presidente de Estados Unidos, tudo se lhe permite”, e com isso lavaram as mãos.

Continuar leyendo…

A cultura da violência de gênero

Tradução de Raphael Sanz Existe, a vemos todos os dias, está enraizada nos padrões colocados desde a infância, no sistema patriarcal, nos fatores socioculturais: a violência contra as mulheres é real e também é aceita como algo natural em nossa sociedade misógina e machista. Para a violência de gênero não existem fronteiras territoriais nem distinção de classe social, cor, credo e grau de escolaridade. É imperceptível devido a forma como é solapada. Uma violência exercida a todo nível, ilimitada e que não surpreende. Que não assombra, não indigna, não enraivece. A cultura da violência de gênero tem sua carga nos…

Continuar leyendo…

Venezuela e o poder do capital internacional

Tradução: João Guilherme A. de Farias. Rafael Correa, durante a IV cúpula de mandatários da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (CELAC), expos de forma bastante clara a proposta de substituir a Organização dos Estados Americanos (OEA) pela CELAC. Uma iniciativa certeira. Recordemos que a CELAC é um organismo que foi criado em 2011 por Hugo Chávez, quem já havia sugerido a substituição da OEA por uma entidade com os mesmos membros, mas sem os Estados Unidos.  

Continuar leyendo…

Quem disse que o neoliberalismo é a solução

Um dia o mundo amanheceu com a notícia que o Iraque teria em seu poder bombas de destruição em massa; um plano maquiavélico dos Estados Unidos ao que se uniram o Reino Unido, a Polônia, a Austrália e a Espanha como linha de frente. Assim foi como vimos em 2003 o início da guerra do Iraque. Um genocídio sem piedade contra o povo iraquiano que foi anunciado nos meios de comunicação internacionais como um simples “dano colateral”. Os soldados estadunidenses que eram condecorados por semelhante valentia em defesa da humanidade e da pátria, são hoje venerados veteranos de guerra.

Continuar leyendo…

Cristina, meu amor

Não sou feminista, nem vermelha, nem de esquerda, nem revolucionária. Sei muito bem qual é o meu lugar: sou uma desamparada e Cristina é meu amor. Assim como também é Mercedes Sosa, Dilma, Evita e Violetona Parra. E, como escritora, gritar este amor para os quatro ventos me rendeu censuras. Acusaram-me em mais de uma ocasião de ser mercenária, de viver nos Estados Unidos à custa do suporte financeiro de Cristina e Dilma para que escreva a respeito delas. Valha-me! As mulheres nem sabem que eu existo, ora… E nem que eu fosse uma escritora de alcance mundial (a verdade…

Continuar leyendo…