Indocumentados e sem direitos: dano psicológico que vivem é invisível para o sistema

Tradução do Beatriz Cannabrava, Revista Diálogos do Sul Há um mês que não o vejo em seu posto de trabalho; é o encarregado de colocar nas bancas as cenouras, fungos, quiabos, nessa longa banca do supermercado onde sempre há dois trabalhadores colocando as verduras. Estará doente? Pegou o vírus? Me pergunto enquanto observo detidamente as…

Guatemala: Crimes de lesa humanidade praticados na ditadura caem no esquecimento

Tradução do Beatriz Cannabrava, Revista Diálogos do Sul Aparece no meu televisor há várias semanas, mas eu me faço de desentendida e busco filmes em outro canal; é um documentário sobre a violência que açoitaram as comunidades indígenas na Guatemala no tempo da ditadura. Que fácil é poder mudar de canal ou fingir que uma…

“El Colocho”, o jornaleiro que pôs à minha disposição o horizonte aberto para eu cultivar

Tradução do Beatriz Cannabrava, Revista Diálogos do Sul Pela manhã me acostumei com duas coisas, ler e ver plantas. Não há orvalho da alvorada sem leitura e sem plantas. A leitura me ficou como um hábito dos meus dias de infância vendendo sorvetes no mercado em meu Grande Amor, Cidade Peronia. As plantas, mais que…

Rabanetes… Sigo plantando por essa bobagem de manter a raiz camponesa dos meus avós

Tradução do Beatriz Cannabrava, Revista Diálogos do Sul Ontem de manhã colhi meus primeiros rabanetes. Dava gosto mordê-los. Tive que colher antes do tempo porque os bichinhos já estavam começando a comê-los. No primeiro ano que eu plantei, estava feliz da vida vendo crescer aquelas folhas grandotas, mas quando fui colher não havia nada embaixo;…

Mirasoles

Para mediados de julio, los campos, parques y arriates se llenan de flores silvestres. Flores que revientan cuando el verano está sazón, en su tiempo de canícula. Entre estas los mirasoles o los distintos tipos de girasoles silvestres que dan la bienvenida a agosto, el mes de los girasoles. En las afueras de la ciudad,…

A rua, mural, a humildade e a essência da alma dos que criam plantando sementes

Tradução do Beatriz Cannabrava, Revista Diálogos do Sul Em um dia a dia onde o ódio se reproduz como nuvem de poeira, quando as armas são o comum, encontrar pessoas que escolhem criar em lugar de cortar, estancar, arrancar e estorvar é algo maravilhoso. Porque criar é plantar uma semente que germinará, é como reflorestar. …