A resistência de Hayashi Fumiko

Tradução do Eduardo Vasco, Diário Liberdade 

“Se este livro influencia algo para que os jovens de hoje, arrastados para o fundo da pobreza, inquietude e escassez, continuem vivendo, não haverá nada que me cause maior alegria.”

Assim fecha o prefácio de seu livro Diário de um Vagabundo, Hayashi Fumiko, em 1939. (Inicialmente publicado por prestações entre 1928 e 1930). Jornal que ele escreveu entre 1922 e 1927, digamos que entre 18 e 23 anos de idade, quando a miséria e a dor da exclusão social puxaram a pele para sacudir, em sua caminhada como trabalhador por incontáveis empregos de má remuneração, e em sua capacidade de inquilino passando pelo esgoto japonês em 1920.

Hayashi, uma menina cultivada como vendedora ambulante com seus pais, nunca teve o calor de um ninho, uma aldeia por que anseia, nem memórias de um jardim de verão que embelezou as janelas de uma casa para a qual retornar na evocação da casa. tempo; para abrigar sua alma como um vagabundo.

Hayashi, na angústia e no desespero das circunstâncias a que está exposta diariamente, porque não tem um lugar fixo para dormir, aluga um quarto em qualquer estalagem ou dorme em seus locais de trabalho; longe de onde seus pais vagam com sua carroça oferecendo suas mercadorias nas cidades que aparecem enquanto ele viaja. Ela descobre sua localização pelas cartas que sua mãe lhe escreve e que às vezes chegam com uma moeda que serve de encorajamento, que ela também responde e à qual ocasionalmente acrescenta uma moeda; para medicina, para aluguel ou para comida de seus pais.

Nessa fase de sua vida, Hayashi é treinado como escritor e poeta; os amantes que pagam mal, as traições comuns dos destruidores de corações, a exploração cotidiana dos proletários que habitam o lumpen – como ela o chama para o esgoto – fazem o jovem Hayashi começar a escrever na forma de um diário, praticamente todos os dias durante esses anos. E o mais surpreendente é que ela procura leituras, entra nas almas dos livros que está comprando, com o pouco que ganha, sempre economiza para um livro, vai ao cinema ou vai ver uma peça de teatro. que foram criados pelos habitantes do lumpen dos bairros populares do Japão em 1920.

Ela sonha em ser escritora, nessa idade e naquela pobreza que Hayashi ousa sonhar, quebra a parede e sonha. Ele pula a cerca e sonha. Ele se atreve a resistir a escrever. E nesse maravilhoso diário ele conta os detalhes do seu dia a dia em suas andanças; quais são as dores, a angústia, a raiva, o desespero, o questionamento, a depressão, a fome, o anseio e a resistência de milhões de pessoas em todo o mundo, numa realidade atemporal. Porque o frio queima na pobreza, porque a miséria não tem fronteiras ou linguagem.

Com um talento único, numa linguagem simples e honesta, a trote, o escritor-operário, o operário-poeta, com a voz trovejante que continua a ecoar nos esgotos do mundo; ela joga ao vento naquele jornal suas histórias feministas, porque não se pode negar de forma alguma que Diario de una vagabunda é uma denúncia ávida, típica de uma mulher que exige direitos de gênero para ela e para todas as mulheres da diferença de classe.

De Hayashi Fumiko, você não pode retornar o mesmo, leia é para entrar nas veias e na medula do lumpen que vive nas sombras da exclusão. É sentir o coração agitado ao ler as cartas de sua mãe, correr ao seu lado e embarcar nos trens para descer em qualquer estação e bater em qualquer porta para pedir trabalho; é esfregar um chão em uma pousada, lavar sua única muda de roupa, é sentir o frio das noites dormindo no chão.

Viver com ela o desencanto da falta de amor, o machismo, a emoção de um novo livro, o cheiro do outono e das cerejeiras da primavera, e molhar os sapatos nas poças das ruas dos bairros populares. Grite ao seu lado, alienando suas vendas em sua infância e encontrando as madrugadas com os olhos abertos de longas noites sem dormir. É fecundado em poesia.

De Hayashi não retorna sem ter visto em primeira pessoa a realidade da pobreza e da miséria, mas também a imensidão da humanidade, o talento, a denúncia, a beleza e a resistência de uma mulher que se atreveu a escrever seu nome em a história do tempo, do coração do lumpen.

Nem tudo era pobreza na vida de Hayashi, com o tempo seus livros foram publicados, ela é uma das escritoras mais lidas do Japão e da Ásia, viajou para diferentes países do mundo, teve mais de uma casa com jardins e janelas para oxigenar seus livros. alma vagabunda. E é reconhecido pelo seu talento e originalidade.

O diário de um vagabundo continua a ser o manifesto dos anos de pobreza e exclusão, dos anos de falta de amor, mas também do doce mel de um talento em botão que começou a florescer e que foi sua maior resistência em face da adversidade.

Eu, Ilka, desse lumpen da classe trabalhadora, do meu coração como vendedor de mercado e da minha realidade como inquilino, agradeço a Hayashi Fumiko por sua ousadia, por ser transgressora, por elevar sua voz, por ter coragem de gritar. , por ousar andar, porque com seus passos nós avançamos milhões de mulheres do esgoto. Por questionar um sistema patriarcal. Porque dizendo o nome dele ele disse todos nós, ele nos tirou das sombras, ele não existia. Porque ao contar sua história ele abriu caminhos para nós, ele acendeu uma vela. Ele abrigou nossas almas e com seus sonhos, ele também nos fez sonhar com os nossos. Porque sonhar é a maior resistência à adversidade. Obrigado, professora.

Se você pretende compartilhar esse texto em outro portal ou rede social, por favor mantenha a fonte de informação URL: https://cronicasdeunainquilina.com

Ilka Oliva Corado. @ilkaolivacorado

Deja un comentario

Este sitio usa Akismet para reducir el spam. Aprende cómo se procesan los datos de tus comentarios.