O som da norte

Tradução do Eduardo Vasco, Diário Liberdade

Ontem eu estava andando pela Michigan Avenue no centro de Chicago e em frente ao lago havia um show anual de avião em que aviões da Força Aérea participam e em que eles realizam muitas piruetas, um evento assistido por milhares de espectadores. Toda vez que sobrevoavam o centro da cidade, um som sombrio e terrível estagnava entre as ruas e os arranha-céus produzindo um eco que acelerava o coração e paralisava a multidão que caminhava no centro da cidade no verão, um som aterrorizante: o som da morte.

A cada três minutos eles inundavam as ruas com medo, as pessoas se curvavam e cobriam a cabeça pensando que algum arranha-céu havia sido bombardeado. Nunca na minha vida ouvi tal som. Eu pensei, enquanto recuperava minha respiração e meu passo, em Hiroshima, como foi esse momento? O que as pessoas sentem? Como os sobreviventes conseguiram continuar após tal horror? Pensei na América Latina bombardeada na era da ditadura e na United Fruit Company, naqueles aviões de guerra que lançavam bombas por atacado.

A cada três minutos o horror voltava, o som da morte e as pessoas agachadas novamente enquanto alguns gritavam e outros ficavam em silêncio, todos paralisados. Pensei no Iraque, no Iêmen, na Síria, na digna Palestina que, mesmo com o silêncio do mundo, ainda está de pé. Pensei em aviões de guerra com estilhaços, bombas destruindo aldeias inteiras: hospitais, escolas, parques, campos, museus. Povos inteiros são eliminados em nome da imposição, da desaprovação, da ambição daqueles que acreditam que serão eternos e que tudo lhes pertence: simples partículas de nada entre a imensidão do universo.

Não há interferência sem cúmplices, a traição se entrelaça por dentro. Os Estados Unidos enviaram um navio de guerra para as águas da Colômbia, sob o pretexto de levar ajuda humanitária aos imigrantes venezuelanos no país. Ele criou outra base militar na Argentina, na fronteira entre a Bolívia, no Quiaca. Criou outra na tríplice fronteira entre Argentina, Brasil e Uruguai, no Aquífero Guarani. Foi capaz de criá-las porque na Argentina, Colômbia e Brasil eles governam lacaios e também no resto dos países latino-americanos com governos neoliberais: cliques criminais de natureza empresarial aos pés dos injetores.

O navio americano em águas colombianas é uma clara agressão contra a Venezuela, se os Estados Unidos se preocupam com os migrantes, como diz, começaria com o seu próprio país, onde milhões clamam pela Reforma da Imigração. Ele sabe que a razão para essas migrações forçadas é a interferência na América Latina, se ele parar de procurar possuir liberdades e dignidades que não lhe pertencem, a história da migração em massa para seu país não existiria. Você tem boa fé com os migrantes e acredita na ajuda humanitária? Bem, legisle uma Reforma Global de Imigração em seu próprio país e pare de processar pessoas indocumentadas criminalizando-as por seu status legal no país.

A ideia não é apenas cercar a Venezuela, seu principal objetivo, mas também encurralar e garantir a posse da Argentina, Uruguai, Brasil e Bolívia, porque mesmo que parem de frente, Cristina se tornará presidente do país e os americanos já sabem o que isso significa. No Brasil a dura luta pela presidência de Lula mostra a resistência do povo brasileiro à ditadura de Temer. Na Bolívia, Evo cresce como uma flor selvagem entre as montanhas: natural e como uma videira que se expande como passiflora nos desfiladeiros. No Uruguai, o panorama não é diferente.

Aviões como aqueles que abalaram a multidão na Avenida Michigan estão preparados para bombardear a Venezuela a partir de território argentino, colombiano e brasileiro, não porque Nicolás Maduro seja um ditador, mas porque traidores e intervencionistas morrem por tomar o controle do petróleo do país e assumir o controle da colônia americana em que eles converteram boa parte da América Latina.

Mas nem todos se vendem e nem todos são traidores e essa resistência tem raiz de Povos Originários.

O som da morte é aterrorizante e é um recurso dos injetores, por outro lado o som da vida é água quebrada, esse som é a harmonia da liberdade pela qual os povos lutam que 500 anos depois não conseguiram romper.

Se você pretende compartilhar esse texto em outro portal ou rede social, por favor mantenha a fonte de informação URL: https://cronicasdeunainquilina.com

Ilka Oliva Corado @ilkaolivacorado

Deja un comentario

Este sitio usa Akismet para reducir el spam. Aprende cómo se procesan los datos de tus comentarios.