Migrar mortos em vida para morrer mil vezes mais

Tradução do Eduardo Vasco, Diário Liberdade

Os traços mais visíveis das ditaduras impostas pelos Estados Unidos na América Latina podem ser vistos todos os dias nos milhares de migrantes que são forçados a deixar seus países de origem para tentar salvar suas vidas e obter abrigo e comida nos Estados Unidos. ; que é apresentado por especialistas em mentiras como a Meca, como a água que mata a sede, como a terra onde todos os sonhos se tornam realidade.

Uma América Latina empobrecida pelos governos neoliberais depois de ditaduras compostas de multidões de corruptos e saqueadores; que criaram gangues de tráfico de drogas e lidam com pessoas que operam no coração do Estado, fazem desta peregrinação a pior tortura para aqueles que conseguem sobreviver a esta jornada a caminho dos Estados Unidos. Adicionado a ação da Patrulha da Fronteira que se banqueteia com carne de migrantes, em todos os sentidos.

Mas a tragédia não está apenas na fronteira entre os Estados Unidos e o México, tem sido uma das milhares de vidas perdidas em suas pelos migrantes. O infortúnio está no país de origem que os violou, negando-lhes oportunidades de desenvolvimento e acesso a uma vida integral. Um Estado que os exclui e os estigmatiza, que os mata em fomes e limpeza social. Que desaparece no tráfico de pessoas para fins de exploração sexual, trabalho e tráfico de órgãos. Mortos em vida eles migram, morrem mil vezes mais ao longo do caminho; e ser no país de chegada a mão de obra barata que também é explorada e violada.

E eles morrem a partir do momento em que decidem migrar, morrem antes de cruzarem a fronteira que os levará para longe de seus ninhos, suas afeições e seus sonhos. E eles morrem novamente todos os dias, quando os países irmãos os maltratam, discriminam, abusam deles, os desaparecem e os matam. E morrem afogados nos mares, nas pequenas balsas que procuram chegar a Porto Rico, quando saem da República Dominicana. E eles morrem novamente quando chegam à fronteira entre os Estados Unidos e o México, quando a Patrulha da Fronteira, em um ato de desumanização, os extermina. E eles morrem novamente quando entram no país de chegada que no infortúnio migratório acaba se tornando o país de residência.

Esses migrantes, que foram forçados a deixar seus países de origem, são crianças que vivem em latas de lixo, aquelas que limpam o vidro nos semáforos, as que carregam granéis nos mercados, aquelas que cheiram cola. Aqueles que cortam café em cuadrillas, legumes e frutas tapiscan. Aqueles que deixam seus pulmões em cana queimada. Aqueles que picam pedra. São as meninas maculadas nos bordéis e casas de compromissos, que se conseguem escapar com vida.

São pais que trabalham do amanhecer ao anoitecer, varrendo ruas, limpando edifícios, repelindo paredes. São mães que deixaram a videira nas maquiladoras, nas salas de jantar, nos porões dos hospitais, nas ruas.

Trabalhadores e camponeses de todas as idades a quem os governos dos seus países de origem marginalizaram desde o seu nascimento, que foram estigmatizados de forma geracional, que fazem parte da ferida viva de um tecido social fragmentado na memória e na dignidade.

Essa horda de corruptos traficou com corporações transnacionais que leiloaram os recursos naturais de comunidades inteiras, arrebatando terras, matando camponeses, obrigando aldeias inteiras ao deslocamento forçado, que tem a modalidade de migração forçada.

Gangues criminosas nos governos que realizam incursões nos subúrbios, assassinando e desaparecendo crianças e jovens que gritam exigindo oportunidades de desenvolvimento e, ao invés disso, os forçam a cometer um crime ou a migrar.

As causas da migração forçada são, à primeira vista: sociedades desumanas que, em um classismo infestado e racismo, se sobrepõem ao abuso estatal em relação aos mais vulneráveis. Governos corruptos que seguem com pontualidade a agenda das oligarquias e os intervencionistas que veem os migrantes como efeitos colaterais da tributação americana na região.

Migrantes mortos-vivos que morrem todos os dias em terras distantes: estuprados, espancados, torturados, assassinados e desaparecidos. Sobreviventes estigmatizados, que morrem novamente a cada nascer do sol: no país de trânsito, chegada, residência, destino e retorno. Porque as deportações em massa também fazem parte da violência exercida pelos Estados Unidos e pelo resto dos países latino-americanos com governos neoliberais.

Não importa de qual partido o presidente dos Estados Unidos seja, a taxa de imigração é a mesma. Enquanto a América Latina não se libertar da interferência estrangeira e dos governos neoliberais, a única saída continuará sendo para milhares, migração forçada.

Enquanto isso, quem para aqueles que morreram na vida migram para morrer mil vezes mais?

Se você pretende compartilhar esse texto em outro portal ou rede social, por favor mantenha a fonte de informação URL: https://cronicasdeunainquilina.com

Ilka Oliva Corado @ilkaolivacorado

Deja un comentario