O que o patriarcado deve a Evita

Tradução do Eduardo Vasco, Diário Liberdade 

A história que tem sido ultrajada desde o início da humanidade por seres patriarcais, misóginos, homofóbicos, racistas, classistas, xenófobos e, no caso particular da América Latina, seres de mente colonizada se encarregaram de invisibilizar mulheres como Evita, que nunca se ajoelharam ao jugo patriarcal e que nunca dormiram no esbanjamento dos méis do poder, mas pelo contrário: foram suas maiores críticas.

Evita é a poesia da rebelião dos povos. O patriarcado que carece de ideologia coloca-a na história como um ser apaixonado, nunca o viu como um ser intelectual com um raciocínio de poucos e com algumas entranhas únicas. Os da esquerda dizem que é o coração e a alma do peronismo, porque Perón era o intelectual e a sanidade. Nada está mais longe da realidade, e isso é que as coisas têm que ser ditas como são: Não há Perón sem Evita. Nem Perón nem o peronismo existiriam sem Evita.

Assim, sem o patriarcado e sem uma história ultrajada pela misoginia, o que hoje conhecemos como peronismo deveria ser chamado Evitismo ou Evitista, algo assim para fazer justiça e reivindicar quem era o propulsor. Para ser justo, Perón teve a sorte de encontrar em seu caminho uma mulher como Evita, que o imortalizou sensibilizando-o e aproximando-o do povo e dando sua palavra e apoiando-o diante dos párias, porque sem o apoio de Evita, Perón teria sido somente mais um presidente.

E aquilo que é visto nas mulheres como apaixonado, como alma e coração, nos homens é visto como intelectualidade e coragem, como uma voz de comando e estabilidade emocional, isto é patriarcado. Então Evita, uma das grandes mentes da América Latina, vista como alguém a frente do seu tempo, assim como a alma e o coração do peronismo, nada mais injusto, porque você tem que ver seus pronunciamentos para o povo, como eles agem, ler o seu textos para entender sua genialidade para transformar o complexo em algo completamente compreensível para os trabalhadores, que, como ela, não tiveram oportunidade de frequentar uma universidade e mergulhar em livros e oportunidades de educação superior e desenvolvimento que, por exemplo, possuíam personagens como Perón. , o que facilita o caminho da compressão da política. (Nem sempre). Portanto, se a alma e o coração são tão importantes, por que o patriarcado, que repito, não tem ideologia, não diz que Evita era o intelectual e Perón o apaixonado?

Porque a beleza e grandeza da intelectualidade de Evita, é que é natural, sua sensibilidade vem da pobreza e miséria, de sua origem como uma pária e ela, mesmo com todas as deficiências das facilidades para aprender, foi capaz de pensar e sentir o que muitos graduados universitários com mestrado e doutorado não podem. E não parou por aí, essa análise ela escreveu em numerosos textos e fez conhecido em seus pronunciamentos e suas abordagens para o povo argentino. Ela passou da passividade à ação e é o que o mundo inteiro precisa que façamos. Evita não se tornou Evita casando-se com Perón, ela já era e essa é a dívida patriarcal. Eles acham que Perón a converteu por ter a “misericórdia” de vê-la e se casar com ela, dando-lhe um sobrenome e uma posição econômica. Repito, o patriarcado não tem ideologia.

No dia em que conseguirmos erradicar o patriarcado e a misoginia, mulheres como Evita serão reconhecidas por sua enorme contribuição à luta pelos direitos humanos e pelas políticas de desenvolvimento dos povos do mundo. Ela estava tão, mas tão à frente de seu tempo, que nunca pensou em homens e mulheres, ou em gêneros, mas em seres humanos com os mesmos direitos.

O Patriarcado é o maior inimigo que temos, parece impossível derrotá-lo, mas podemos erradicá-lo, e então podemos reescrever a história e fazer justiça a tantas mulheres que lutaram pela liberdade de seus povos e se tornaram invisíveis à sombra de seus cônjuges, parceiros, amantes, pais, irmãos e seus sobrenomes.

A história e o patriarcado estão em dívida com Evita. Algum dia ela será reconhecida como a alma, o coração e a intelectualidade de uma época que mudou a história das mulheres na política argentina, latino-americana e mundial.

Já é hora…

Se você pretende compartilhar esse texto em outro portal ou rede social, por favor mantenha a fonte de informação URL: https://cronicasdeunainquilina.com

Ilka Oliva Corado @ilkaolivacorado

Deja un comentario