América Latina retrocede cem anos

Tradução do Eduardo Vasco, Diário Liberdade 
Marco Rubio, senador republicano de origem cubana, escreveu em sua conta do twitter nos últimos dias: “O mundo apoiaria as Forças Armadas na Venezuela se eles decidissem proteger seu povo e restaurar a democracia, removendo o ditador (do poder)”. Nada lhe pede o corpo.
Agora, imaginemos que um personagem como Diodado Cabello escrevesse algo similar mas referente aos Estados Unidos, ou o próprio Nicolás Maduro, como acham que os EUA reagiriam?

Aqui é outro exemplo aproveitando a viagem: Tood Robinson, ex-embaixador da Guatemala, que colocou a colher nas reuniões de prefeitos departamentais, agora responsável pelos negócios nos Estados Unidos na Venezuela, disse na recepção na quinta-feira, 9 de fevereiro, no Embaixada dos EUA em Caracas: “Os Estados Unidos e a comunidade internacional estão prontos para fornecer” ajuda humanitária “neste momento (…) Estamos também preparados para treinar e compartilhar nossa experiência assim que a democracia é restaurada no país “. “O povo venezuelano está sendo vítima através da criação de” entidades ilegítimas “e do” seqüestro de eleitores “por meio de alimentos e remédios”.
Bem, o Sr. Robinson provavelmente viveu tão pouco tempo em seu país de origem que ele não conhece a miséria que vivem 40 milhões de americanos, e se ele se virar para casa em vez de caminhar na casa de outra pessoa? Para não ir tão longe… humanidade, ele diz? Bem, e que tal ser o propulsor da Reforma Integral da Imigração que tire pelo menos 25 milhões de imigrantes indocumentados das sombras nos Estados Unidos? Se há alguma coisa para fazer no seu país? Até de sobra!
Algumas questões são lançadas no ar: o planejamento da invasão da Venezuela tem a ver com a chegada de 415 membros da Força Aérea dos EUA ao Panamá, em um acordo de ambos os governos chamado Novos Horizontes? Ou como as organizações sociais o chamam: é uma invasão silenciosa. Lá, assim como a Colômbia, vimos o descaramento de Juan Manuel Santos, sobre o assunto dos migrantes venezuelanos e a fronteira entre Colômbia e Venezuela. Sua sede para que seu nome seja marcado na história como um dos motores da invasão da Venezuela e do derrube de Maduro.
Enquanto em seu país seu governo segue assassinando guerrilheiros e a população civil nas mãos de paramilitares, com o Plano Colômbia no auge. A Colômbia é uma carnificina… E o que dizem os governos “humanitários” que exigem a invasão da Venezuela? Podemos ir ao norte do continente, no México…
O Equador retrocedeu cem anos, com a traição colossal de Lenín Moreno. Uma punhalada pelas costas não só a Rafael Correa, mas ao povo equatoriano que se dispôs a defender a Revolução Cidadã nas urnas. Mas, ganhou o Sim? Não, ganhou Rafael Correa, que segue tendo o apoio dos cidadãos que durante 10 anos defenderam a Revolução Cidadã. O Sim vem da unidade da esquerda equatoriana que sempre foi afim à direita, e dos diferentes cabeças das máfias oligárquicas direitistas, que no plano maquiavélico se uniram contra Rafael, utilizando Lenín que, quando já não servir mais, lhe darão um pé na bunda, como bom traidor. Mano a mano, jamais poderiam com Rafael e a Revolução Cidadã.
Outra das maiores traições na história contemporânea é a de Temer e do sistema de justiça brasileiro que foi cooptado por bandos de criminosos que têm o poder de remover e colocar ao seu alcance. Como na Guatemala e no triângulo do norte da América Central.
O Brasil que no tempo de Dilma teve um avanço nos direitos das pessoas da comunidade LGBTI, agora vemos a perseguição que o governo cometeu contra eles. O mesmo acontece com organizações sociais, comunidade, defensores dos direitos humanos e do meio ambiente. Limpeza social nas favelas que nos tempos de Lula e Dilma eram dignas.
O Brasil agora fala de fronteiras e de militarização junto com a Colômbia, de forma a cercar a Venezuela para acelerar a invasão militar em que eles, sem dúvida, desejam fazer parte, como a Argentina no tempo de Macri. Balas de borracha, balas de aço, tortura, desaparecimentos forçados, assassinatos, eliminação de direitos trabalhistas, demissões em massa, retrocessos nos direitos humanos, impunidade, liberdade para os culpados de crimes contra a humanidade, ecocídios e uma proposta para nada de novo da pena de morte para párias; a elevação ao quadrado de limpeza social.
O Peru, por outro lado, liberta Fujimori. Pablo Kuczynski, um servo de direita das oligarquias e dos Estados Unidos, libertou um caráter dantesco em matéria de impunidade e abuso. Kuczynski, diz que é um perdão humanitário, que acompanha um “direito de graça” anula qualquer outra tentativa de perseguir o ditador Fujimori. No entanto, os abusos que tal personagem cometeu durante o seu tempo como presidente são completamente esquecidos pelas autoridades, também co-optados pelos acordos de suborno tão comuns na pós-ditadura da América Latina e no neoliberalismo bombástico. Para mencionar algo, as licenças para empresas transnacionais e a exploração de ecossistemas peruanos, falamos em outra viagem.
Honduras, um povo que disse não à ditadura de Juan Orlando Hernández, o rufião deu um golpe de estado e reprimiu seu povo com as Forças Armadas. Mas o desonesto não está sozinho, tem com ele as bandas oligárquicas e o apoio dos Estados Unidos. Muitas coisas estão sendo tocadas neste momento em Honduras, dizendo que não a Juan Orlando Hernández demonstrou a dignidade do povo hondurenho e a força de sua resistência. O mundo deve estar com Honduras, denunciando as atrocidades do ditador e alimentando a garra daqueles que se recusam a se sobrepor à fraude e à corrupção do patife.
A Guatemala, com seu pacto corrupto, atravessa a rua de amargura, um país pequeno no umbigo da América Central, que raramente é mencionado na mídia internacional, como El Salvador, que, quando não se trata da Mara Salvatrucha, não existe.
A ditadura na Guatemala foi fortificada com a assinatura de La Paz, digamos que foi legalizada, tem seus selos e suas assinaturas de autorização. Ele não se conformou com a colocação de um presidente genocida e foi para mais e escolheu Jimmy Morales, o fim, um covarde em toda a extensão da palavra. Um fantoche que representa o centavo para aqueles que votaram nele: corrupto, misógino, machista, cachurco, cínico, ladrão e conspirador. Quase nada.
Um congresso usurpado por contrabandistas que passam a lei e a Constituição pelo Arco do Triunfo. Promotores de insegurança pública, miséria, femicidios, limpeza social, execuções extrajudiciais e impunidade: assim, com as mãos baixas. Guatemala e Honduras são o exemplo do triunfo de bandos criminosos nos governos cooptados por eles.
E não podemos deixar para trás a Costa Rica, um país que há décadas se vangloriou de ser o mais economicamente estável da América Central (mas, oh, dor! É a Nicarágua) e tambem presumido de uma população que terminou o ensino superior . E bem, com esta educação superior que não os serviu, o povo costarriquenho decidiu colocar o laço em volta do pescoço, colocando no centro das atenções um candidato misógino, machista, patriarcal, classista e racista como Fabricio Alvarado. Uma cópia no rastreamento de Jimmy Morales, que se banha em águas de pureza e é apresentado como ungido (com água de meia) pela graça do Espírito Santo.
O único fato de uma segunda rodada com um candidato como Fabricio Alvarado é um revés. O que está acontecendo com a inteligência do povo costarriquenho? O que acontece com todos os povos que manipularam as religiões e a fé. Costa Rica é o exemplo no continente, de uma educação superior que trabalhou com o sistema, ao serviço do sistema, um sistema que também é fundamentado pela religião.
Como vemos, sem muitos detalhes, a América Latina vive um ataque neoliberal, como uma continuação de um plano que foi lançado com ditaduras e que vem como um selo, como um empate ou marcha de uma era que busca desarraigar toda a resistência das pessoas .
As interferências sempre existirão, e não serão apenas os Estados Unidos e seus embaixadores, nem os infiltrados de outros países, aqui a responsabilidade absoluta é para os traidores que vendem suas pessoas ao melhor postor. E são os traidores que deverão ser processados e que apodrecerão nas masmorras e serão arrancados da memória coletiva e sofrerão na solidão, o esquecimento de seu povo.
Mas não será agora que eles nos derrubarão, aqui temos mais de 500 anos de resistência e, acima de tudo, eles não conseguiram nos destruir. Estes são tempos difíceis, mas estamos juntando um fio de memória coletiva e uma raiz milenar que dignifica as gerações que enfrentam o tempo que tiveram que viver. O melhor não é passado, o melhor de nós não o mataram, o melhor de nós está prestes a nascer.
Se você pretende compartilhar esse texto em outro portal ou rede social, por favor mantenha a fonte de informação URL: https://cronicasdeunainquilina.wordpress.com/2018/02/21/america-latina-retrocede-cem-anos/
Ilka Oliva Corado @ilkaolivacorado contacto@cronicasdeunainquilina.wordpress.com

Deja un comentario

Este sitio usa Akismet para reducir el spam. Aprende cómo se procesan los datos de tus comentarios.