Lenín Moreno, o grande traidor do progressismo latino-americano

Tradução do Eduardo Vasco, Diário Liberdade 
Apenas alguns meses atrás celebrávamos a vitória de Lenin Moreno, que prometeu dar continuidade à Revolução Cidadã que Rafael Correa iniciou; ele resultou ser uma fraude, dando o pior golpe ao progressismo latino-americano na última década: Lenin Moreno mordeu a mão daquele que o alimentava.
Moreno superou Temer, seu ódio por seu país foi mais longe, assim como Temer não suportou a luz de seus presidentes, Temer não poderia com Dilma e Moreno nunca poderá com Rafael Correa, porque Correa, como Dilma, é simplesmente imortal na memória dos povos.

Ele traiu a confiança não só do líder da Revolução Cidadã, mas também de todo um povo que o apoiou e o levou à presidência com seu voto. Ação muito comum dos rastreadores. Ele nem esperou que os galos cantem para começar a jogar facas nas costas daqueles que lhe deram um nome, porque é o que ele cresceu à sombra de Rafael Correa e ele não suportou a luz do líder, tanto que pensou que com a sentada na poltrona e colocar os líderes da Alianza País na prisão vão apagar os 10 anos de progresso que o Equador teve com Rafael Correa.
Cinco meses desde que ele se tornou presidente e tudo o que ele fez é pactuar com a direita recalcitrante, com isso mostrando que ele sempre foi um deles, alguém que fingiu estar com as pessoas e responder às suas necessidades. Alguém que fingiu lealdade a Rafael Correa e ao seu povo. Alguém que traiu, e então passou para a direita neoliberal desde o primeiro dia da presidência.
O assunto com Lenin Moreno, não é apenas sobre dimes e diretes entre Alianza País e ele, como mostrado por vários meios de comunicação amarelos, aqui Lenin faltou a sociedade que deu seu voto confiando que seria a continuidade de um projeto de desenvolvimento já roteado por Rafael. Moreno não estaria na presidência se Rafael Correa não lhe tivesse dado a confiança e o tivesse apresentado ao povo como quem acompanharia o projeto cidadão. Moreno sem Rafael não é ninguém e o vemos agora que na presidência ele age como um fantoche da direita.
As pessoas não esquecem a traição e Lenin Moreno, que queria superar Correa vai descer na história como o presidente que traiu seu povo, como o arrasto que foi vendido, como o simples vice-presidente, um fantoche que não podia com a grandeza do máximo líder da Revolução Cidadã.
As pessoas colocam lá, são as pessoas que devem removê-lo. O povo equatoriano lutou pela Revolução Cidadã a partir de seus alicerces, e eles estavam construindo isso por polegada, não será Lenin Moreno quem vai destruí-lo. Não será um traidor para empurrar o Equador de volta. O povo equatoriano deve se organizar novamente e exigir a resignação imediata do presidente Lenin Moreno. Você não pode deixar-se ser roubado por um perfidio, o que foi alcançado. No Equador, a Revolução dos Cidadãos deve continuar.
O Equador não deve permitir que a Revolução Cidadã seja destruída por um covarde que não poderia com a grandeza e a dignidade de seu povo.
E aos traidores, a prisão, o esquecimento e o exílio!
Se você pretende compartilhar esse texto em outro portal ou rede social, por favor mantenha a fonte de informação URL:  https://cronicasdeunainquilina.wordpress.com/2017/11/15/lenin-moreno-o-grande-traidor-do-progressismo-latino-americano/
Ilka Oliva Corado @ilkaolivacorado contacto@cronicasdeunainquilina.wordpress.com

2 comentarios

  1. Pingback: Lenín Moreno, o grande traidor do progressismo latino-americano – Título del sitio

Deja un comentario