América Latina, terra de feminicidas

Sígueme en https://telegram.me/cronicasdeunainquilina

Tradução de Raphael Sanz

A violência emocional e física que vivemos enquanto mulheres é o pão nosso de todos os dias na América Latina. Todos os dias nos acossam, nos insultam, nos golpeiam, sofremos violações sexuais, nos torturam, nos mutilam e nos deixam jogadas em sargetas e terrenos baldios, como desperdícios em latas de lixo. Nos desaparecem em fossas clandestinas. Todos os dias nós, mulheres latino americanas, enfrentamos o medo e temos que vencê-lo para sair das nossas casas e ir estudar e trabalhar. E pensar que está latente que este seja o último dia que vejamos nossa família, porque algo pode acontecer no caminho. Meninas e adolescentes estão em perigo constante devido à vulnerabilidade da idade e à ameaça que representa uma sociedade doente de “patriarcadite” e insensível diante da violência de gênero.

Em que momento nos transformamos nesta porcaria de população? Em que momento nos desumanizamos assim? Como chegamos a ultrapassar os limites do respeito e como temos nos afundado nas raízes do patriarcado e da misoginia que nos exterminam a passos agigantados?

Os feminicídios são algo muito distinto da violência comum. São em especifico misóginos e levam intrínseco o ódio ao gênero feminino. Assim como os crimes contra transsxuais, que levam sua forte dose de homofobia, transfobia e lesbofobia agregadas ao ódio ao gênero feminino. É alarmante a quantidade de assassinatos de pessoas transexuais que ocorrem no continente e que igual aos feminicídios ficam em absoluta impunidade. A violência do patriarcado e o machismo invisibiliza ainda mais esses crimes e nessa exclusão os abusos se multiplicam, alheios à nossa insensibilidade como sociedade: podre, patriarcal, misógina, fanática, carente de toda moral e desumana.

Cada vez que nos inteiramos do desaparecimento de uma menina o que dizemos é que tinha pouca idade “mas já se comportava como uma mulher vivida”. E com isto não prestamos importância a sua desaparição. Se é adolescente ou mulher, a primeira coisa que dizemos é que com certeza foi transar com o namorado ou o amante. Que seguramente era malandra e fugiu com algum namorado secreto que tinha. Ou seja, que se foi por ser puta. E todo ataque é em direção a sua sexualidade, que diga-se de passagem, tem todo o direito de disfrutar com liberdade e não ser julgada por isso.

“Desde quando ser puta é um delito? Todas as mulheres, o somos aos olhos do machismo. E viver a sexualidade em plena liberdade não é razão para nenhum tipo de julgamento ou abuso, muito menos para um estupro e feminicídio.

Mas, como chegamos a este nível de violência contra mulher? Onde começou? Desde o momento do nascimento quando quem recebe a criatura diz: “é uma menina”. E equivocadamente continuamos com os padrões patriarcais dos papeis de gênero, e seguimos com as normas machistas e misóginas que regem nossa sociedade. Um papel primordial faz a igreja na violência de gênero: a propaga, a apoia e a fomenta.

Também a enorme irresponsabilidade dos meios de comunicação sensacionalistas que ajudam a propagar o machismo, a misoginia e o patriarcado.

A pergunta é, quando vamos começar a mudar os padrões e erradicar o patriarcado e a cultura da violência de gênero? Quando vamos deixar de propagar e secundar o assédio nas ruas, a violência emocional e física? Os abusos sexuais e feminicídios? Quando vamos deixar de castigar, apontar e desvalorizar uma mulher por viver sua sexualidade em pela liberdade e com todo o direito que tem como ser humano?

Quando vamos entender que quando uma mulher diz “não”, é não, e que não existe qualquer direito a abusar dela por isso?

Em que momento nós mulheres vamos deixar de atacar umas às outras, umas por santas e outras por putas, beneficiando com isto o patriarcado que nos oprime? Em que momento vamos, enquanto humanidade, deixar de sermos esta porcaria de infesta a América Latina, e o mundo, e nos transformaremos em seres humanos que se respeitam, uns aos outros, na formosura da diversidade? Em que momento homens e mulheres deixarão de serem machistas, misóginos e patriarcais? Em que momento vamos deixar de orar e deixar tudo para Deus, e exigir a justiça pelos abusos sexuais e feminicídios que são engavetados em absoluta impunidade?

Quando será o dia em que nos libertaremos do patriarcado e seremos, por fim, uma sociedade que respeita as diferenças de gênero e de toda índole – uma sociedade em que se aceite a diversidade?

Não esperemos que a violência, a tragédia e a dor nos peguem e permaneçam a habitar nossas vidas para sempre, comecemos hoje: erradiquemos a cultura da violência de gênero.

Áudio do texto em castelhano: https://soundcloud.com/ilka-oliva-corado/latinoamerica-tierra-de-feminicidas

Se você pretende compartilhar esse texto em outro portal ou rede social, por favor mantenha a fonte de informação URL: https://cronicasdeunainquilina.com/2016/10/12/america-latina-terra-de-feminicidas/

Ilka Oliva Corado @ilkaolivacorado contacto@cronicasdeunainquilina.com

Un pensamiento en “América Latina, terra de feminicidas

  1. Pingback: Traduções: Crónicas de una inquilina | Raphael Sanz

Responder

Introduce tus datos o haz clic en un icono para iniciar sesión:

Logo de WordPress.com

Estás comentando usando tu cuenta de WordPress.com. Cerrar sesión / Cambiar )

Imagen de Twitter

Estás comentando usando tu cuenta de Twitter. Cerrar sesión / Cambiar )

Foto de Facebook

Estás comentando usando tu cuenta de Facebook. Cerrar sesión / Cambiar )

Google+ photo

Estás comentando usando tu cuenta de Google+. Cerrar sesión / Cambiar )

Conectando a %s