Com Xiomara Castro, Honduras renasce após anos de violações, humilhação e violência institucional

Tradução do Beatriz Cannabrava, Revista Diálogos do Sul Doeram muito as humilhações sofridas pelos migrantes centro-americanos indocumentados que tratam de atravessar o México para chegar aos Estados Unidos, buscando pôr-se a salvo da violência institucional do narco-estado no caso da Guatemala, El Salvador e Honduras. O famoso triângulo norte de que tanto falam os políticos no discurso das empresas transnacionais que em troca de uma migalha que lançam desde a rede onde se balançam, plácidos e felizes, levam as entranhas da terra que estão secando, porque não é sua, é a dos povos manchados há séculos. Povos infestados de corrupção,…

Continuar leyendo…

Odiare Cuba solamente perché è così

Tradotto da Monica Manicardi Noi, la generazione dell’oblio, il branco di bambini di Pirro cresciuti nella dittatura post dittatura latinoamericana, non ci hanno lasciato altro che lo scarto. Ci hanno tolto i libri di testo, le lezioni di Educazione Musicale, le lezioni di arte, le lezioni di Educazione Fisica, all’improvviso ci hanno tolto il cortile della scuola, ci hanno lasciato senza banchi, senza tetto e infine senza scuole; in questi paesi saccheggiati da folle di bambini ingrati che osavano sputare le viscere da cui provenivano. E un giorno ci hanno lasciato senza casa. Quindi affamati succhiavamo il fiele del tradimento…

Continuar leyendo…

L’arrivo dell’alba

Tradotto da Monica Manicardi Gli ultimi tre anni delle elementari,  l’ora della ricreazione la passavo  con le orecchie d’asino, guardando verso il muro in direzione della scuola. Era la mia punizione in tutti le pause, non ce n’era una  di cui potessi usufruire. Ho sempre voluto di più, ho desiderato più di quanto le circostanze della mia vita mi permettessero, ho sempre sognato la libertà e l’equità fin dalla tenera età. Quindi ero una bambina tremenda che era fuori dalla norma, piena di energia, che pensava di essere  un’altra capra della mandria che pascolava, che non è mai tornata nel gregge. Nelle ricreazioni chiedevo…

Continuar leyendo…

Nos burlamos de los que lo intentan desde la pobreza e invisibilidad

Muchas veces creemos que porque hemos leído muchos libros, tenemos sirvienta en la casa, doctorados y maestrías y hablamos más de un idioma, podemos burlarnos y humillar a quienes tienen las agallas de intentarlo desde la pobreza e invisibilidad. Dejando claro lo mediocres que somos desde el privilegio. Si usted va a compartir este texto en otro portal o red social, por favor colocar la fuente de información URL: https://cronicasdeunainquilina.com Ilka Oliva Corado. @ilkaolivacorado  4 de diciembre de 2021.

Continuar leyendo…

Xiomara Castro, el renacer de Honduras

Mucho han dolido las humillaciones que sufren los migrantes centroamericanos indocumentados que tratan de atravesar México para llegar a Estados Unidos, buscando salvarse de la violencia institucional del narco-Estado: en el caso de Guatemala, El Salvador y Honduras. El famoso triángulo norte que tanto cargan para acá y para allá los políticos en el discurso de las empresas transnacionales que a cambio de una migaja que lanzan desde la mecedora donde se hamaquean; plácidos y jampones, se llevan las entrañas de la tierra que están secando, porque no es la suya, es la de los pueblos mancillados desde hace siglos. …

Continuar leyendo…

Muchas gracias, Bienal del Sur, pueblos en resistencia, Venezuela 2021

En el marco de clausura de la Bienal del Sur, pueblos en resistencia 2021, que se realizó en Venezuela, los artistas participantes nos comenzamos a despedir por medio de un video. Yo quiero agradecer al Ministerio de Cultura de Venezuela y a quienes organizaron la Bienal, por haberle dado la oportunidad a mi pintura en tan grande evento. Me siento muy honrada por este espacio de expresión y por ser tomada en cuenta en esta actividad. Y con alegría en mi corazón y mucho agradecimiento, porque gracias a un niño que creció vendiendo dulces de papaya en las calles, los…

Continuar leyendo…

Hating Cuba Just for the Sake of It

Translated by  Marvin Najarro We, the generation of amnesia, the useless herd of children who grew up in Latin American post-dictatorship, were left with nothing but the bagasse. They took the books away from us, the musical education, art classes, and physical education. All at once we were left with no school yard, they left us without desks, ceilings, and finally without schools; in these countries plundered by mobs of ungrateful sons who dared to spit out the bowels where they came out. And then one day, they left us without a home.  Consequently, thirsty, we absorbed the gall of betrayal…

Continuar leyendo…

Uno debe ver su obra, con amor

Uno debe ver su obra que son sus intentos, con sorpresa, con orgullo, con amor, con reverencia y amarla y amarla, porque nace de lo más íntimo del alma y porque nos expone desnudos, como niños en pampa. Si usted va a compartir este texto en otro portal o red social, por favor colocar la fuente de información URL: https://cronicasdeunainquilina.com Ilka Oliva Corado. @ilkaolivacorado 22 de noviembre de 2021. 

Continuar leyendo…

Reflexo de seu governo, Guatemala se tornou um país corrompido desde o alicerce até o telhado

Tradução do Beatriz Cannabrava, Revista Diálogos do Sul Como se fosse pouco viver com um Narco-Estado, que violenta com polícia e exército, por ar, mar e terra e que impõe toque de recolher e estado de sítio às populações originárias que lutam defendendo suas terras e os recursos naturais das empresas mineiras estrangeiras que chegam para roubar as estranhas das montanhas; e que no processo realizam ecocídios com a autorização desses bandos criminosos que da poltrona do governo que, além do mais, é corrupto, racista, misógino, homofóbico e sumamente machista e patriarcal, a população guatemalteca violenta a si mesma.  Um…

Continuar leyendo…

A chegada da aurora na vida de quem sempre confrontou o sistema: não tem sido fácil, mas sigo

Tradução do Beatriz Cannabrava, Revista Diálogos do Sul Os últimos três anos do curso primário, a hora de recreio eu passei com orelhas de burro, olhando para a parede na diretoria do colégio. Foi meu castigo em absolutamente todos os recreios, não houve um só que eu pudesse desfrutar. Sempre desejei mais, ansiei mais do que minhas circunstâncias de vida permitiram, sempre sonhei com a liberdade e a equidade desde pequena. Então fui uma menina tremenda, que saiu da norma, cheia de energia, que acreditava ser uma cabrita a mais da manada que pastoreava que nunca chegou ao rebanho. Nos…

Continuar leyendo…